PMI preliminar da China tem máxima de 5 meses por alta na produção

O índice preliminar de gerentes de compras de indústria (PMI) da China subiu em julho para o maior nível desde fevereiro, impulsionado por uma retomada da produção e sinais de melhora em novas encomendas de exportação.

NICK EDWARDS, Reuters

24 de julho de 2012 | 07h47

O PMI preliminar de indústria da China subiu para 49,5 em julho ante 48,2 em junho, chegando perto do nível de 50, que separa expansão de contração. A alta foi provocada por um salto no subíndice de produção para 51,2, a melhor leitura desde outubro de 2011.

O subíndice de novas encomendas se recuperou para uma máxima de três meses enquanto o de novas encomendas de exportação teve a melhor leitura desde maio, embora o fato de ambos terem permanecido abaixo da marca de 50 sugira que a demanda ainda está fraca. O subíndice de emprego caiu para o menor nível desde março de 2009.

O PMI preliminar é o primeiro dado chinês significativo no terceiro trimestre do ano e sinaliza que uma melhora sequencial na economia no segundo trimestre pode estar se estendendo, uma vez que as políticas governamentais pró-crescimento ganham força.

Ainda assim, o PMI está abaixo da marca de 50 há nove meses seguidos, mostrando a necessidade de que essas políticas continuem.

"Isso pede mais esforços de afrouxamento para dar suporte ao crescimento e aos empregos", disse Qu Hongbin, economista-chefe do HSBC, patrocinador da pesquisa.

"Acreditamos que a rápida queda da inflação permita que Pequim faça isso, e uma melhora mais significativa do crescimento é esperada para os próximos meses."

O crescimento econômico da China vem desacelerando desde 2010, pois a intensificação da crise da dívida da zona do euro pesa sobre a economia global.

O PMI, compilado pelo instituto Markit, mostrou melhora em todo o setor industrial, com cinco subíndices mostrando uma desaceleração na taxa de declínio e cinco mostrando uma mudança de direção.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROPMICHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.