Pobres ainda sofrem com crise financeira, diz Banco Mundial

À medida que a recuperação avança em países ricos, os demais devem enfrentar rombo de 11 bilhões em 2009

Lesley Wroughton, REUTERS

16 de setembro de 2009 | 13h06

Países pobres ainda estão sentindo os efeitos da recessão, apesar dos sinais de recuperação dos países ricos e emergentes, disse o Banco Mundial em um relatório divulgado nesta quarta-feira.

"A recuperação econômica global e a melhoria nas condições do mercado financeiro ainda têm que oferecer o ímpeto necessário para levantar as economias de países com baixa renda de seu profundo declínio econômico e desafio financeiro terrível", afirmou o Banco Mundial em relatório divulgado antes do encontro de líderes do G20, em Pittsburgh, na próxima semana.

Para os países mais pobres sem espaço fiscal para responder à crise, o gasto central deve enfrentar um rombo de 11,6 bilhões de dólares em 2009 devido a quedas no rendimento e aumento da demanda por proteção social, afirmou o banco.

O presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, fez um apelo ao G20 para não deixar para trás os países pobres, à medida que a recuperação avança em outros lugares.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROCRISEBIRDPOBRES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.