Poço Guará pode fazer parte de estrutura maior, diz Citi

As descobertas de petróleo no bloco BM-S-9, na Bacia de Santos, podem fazer parte de uma estrutura maior, com cerca de 30 bilhões de barris de petróleo equivalente, disse o Citigroup. A Petrobras é a operadora do bloco, com 45% de participação, em parceria com a BG Group (30%) e a Repsol-YPF (25%).Mas a descoberta "não será apropriadamente testada até que um poço seja escavado na vizinha concessão BM-S-22, onde uma perfuração deve ocorrer ainda este ano", acrescentou o Citi. "Esta descoberta estimulará novamente o debate sobre se Carioca, junto com Guará, são uma e a mesma estrutura compacta", afirmou o banco.O poço Guará, cuja descoberta foi anunciada ontem, está próximo à área de Tupi, a maior descoberta de petróleo do País, que pode produzir 1 milhão de barris por dia, segundo a Petrobras. A estatal planeja iniciar uma produção piloto de 100 mil barris de petróleo e 4 milhões de metros cúbicos de gás por dia na área de Tupi em dezembro de 2010.Em abril, o diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Haroldo Lima, havia comentado que a área de Carioca/Guará poderia ter até quatro vezes mais óleo do que em Tupi, o que daria em torno de 33 bilhões de barris. Segundo analistas de mercado, essa bloco está situado em uma área que vem sendo chamada de Pão de Açúcar, que inclui ainda os blocos BM-S-8, BM-S-21 e BM-S-22. No total, os analistas estimam que o óleo que pode ser retirado nessa área chegaria a 52 bilhões de barris. As informações são da Dow Jones.

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

13 de junho de 2008 | 08h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.