Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Podcast faz sucesso falando da era de ouro de Hollywood

Karina Longworth, historiadora e criadora do programa ‘You Must Remember This’, ganhou fãs famosos

The New York Times

03 de outubro de 2016 | 05h00

Nem todos os que passeiam por Sunset Boulevard sentem os fantasmas da antiga Hollywood. Mas, para Karina Longworth, 36 anos, historiadora do cinema e apresentadora do podcast You Must Remember This, a era de Bogart e Bacall é tão presente quanto o site TMZ.

Após inaugurar o podcast em 2014, Karina conquistou seguidores dedicados, incluindo as atrizes Chloë Sevigny e Tavi Gevinson. A cada episódio, ela revela as histórias secretas ou esquecidas do primeiro século de Hollywood, como a dramática vida de Hedy Lamarr e a odisseia de Mia Farrow durante os anos 1960.

Seus temas vão do obscuro (um álbum de temática futurista feito por Frank Sinatra em 1980) ao bem conhecido (os assassinatos de Manson, que ela explorou numa série de 12 episódios). Recontando casos lendários dos maiores nomes da MGM como se trocasse fofocas com uma amiga durante o almoço, a própria Karina é a encarnação de certo elemento de glamour retrô cultivado todas as semanas.

“Gosto da ideia da coisa toda parecer um culto”, diz Karina. “Basicamente, o que propomos é uma sessão ‘naftalina’ de 40 minutos, que tem, em algum momento, um anúncio de um serviço de entrega de vinhos.” Karina parece ter encontrado um nicho, uma espécie de ponto de encontro entre os hipsters de hoje e os clássicos da TV a cabo.

O programa, não raramente, mergulha na cultura pop. Na temporada que acaba de chegar ao fim, Six Degrees of Joan Crawford, ela comparou a rusga entre Joan e Bette Davis à guerra entre Kanye West e Taylor Swift nas mídias sociais.

Infância. Durante sua infância, em Studio City, Karina vivia fascinada pelos vestígios da antiga Hollywood. “Muitos dos grandes astros ainda estavam vivos, e havia notícias a respeito deles no jornal da noite”, lembra. “Uma de minhas primeiras memórias é minha mãe me explicando como Rock Hudson contraiu aids.”

Na adolescência, Karina se vestia num estilo retrô e frequentava as sessões duplas do New Beverly Cinema, uma sala histórica da região. Sua ídola era Lauren Bacall, que “nunca era subserviente”. Frequentou a faculdade de artes, e se formou em estudos de cinema pela NYU. Após breves períodos trabalhando em sites de cinema, ela se mudou para a Costa Oeste atrás do emprego dos sonhos, como editora e crítica de cinema da L.A. Weekly.

Mas, depois de três anos, o desgaste foi excessivo, e os filmes contemporâneos não a atraíam. Karina largou o emprego e passou um ano e meio dando aulas e escrevendo livros sob encomenda, até canalizar seu amor pelos filmes antigos para um podcast. 

Ela aprendeu a usar o aplicativo de gravação de áudio GarageBand e criou seu primeiro episódio, a respeito das dificuldades de Kim Novak com o showbiz. Tecnicamente, foi um desastre: o GarageBand vivia travando e, depois que a transmissão foi ao ar, os arquivos ficaram corrompidos.

No entanto, o público dela cresceu (o número de downloads está na casa de 100 mil por episódio), e entre seus fãs há agora atores, que ela às vezes inclui em papéis coadjuvantes no programa. “Um e-mail de John Mulaney levou a uma participação de Dana Carvey como Mickey Rooney no podcast”, conta. “Adam Goldberg falou do programa no Twitter e, naquela semana, pedi a ele que interpretasse David O. Selznick (produtor de ...E o Vento Levou).”

Tudo o que sabemos sobre:
Podcast

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.