''''Podemos acabar com a Petroquisa''''

Entrevista[br]José Sérgio Gabrielli: Presidente da Petrobrás[br]Executivo diz que papel da Petrobrás no setor petroquímico deve mudar com os recentes acordos com Unipar e Braskem

Irany Tereza e Nicola Pamplona, RIO, O Estadao de S.Paulo

10 de dezembro de 2007 | 00h00

O presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli, afirmou ao Estado que a consolidação dos pólos petroquímicos do Sul, com a Braskem, e do Sudeste, com a Unipar, é suficiente para resolver os nós do setor. A Petroquisa continuará existindo como empresa isolada para outros investimentos?Não temos outros investimentos. Temos o seguinte: a ação da Petrobrás na petroquímica tinha um instrumento que era fortemente de participações, que era a Petroquisa. Porém, a ação da Petrobrás será cada vez mais integrada e vamos ter uma ação mais operacional, que não tínhamos antes. Vamos influir em decisões estratégicas, vamos ter um acompanhamento mais cotidiano das duas empresas. A ação da Petrobrás vai ser acompanhada mais de perto, e não apenas como sócio financeiro.A Petroquisa continua, entãoPode continuar ou não. Até a constituição da nova empresa ela continua, por questões legais. Mas, hoje é uma empresa 100% Petrobrás, de capital fechado, fechamos o capital por isso mesmo. Se continuar ou não, não há problema. É uma decisão operacional nossa. A Petroquisa hoje é uma empresa de participações. E as participações estão nessas duas empresas (Braskem e CPS) parcialmente, porque a Petrobrás é que está comprando diretamente as empresas. A Petroquisa vendeu a participação que tinha na Riopol e outras, vai ficar sem ativos. E a Petrobrás continuará como participante das duas companhias, ou pode optar por uma delas?Consideramos que há dois movimentos na expansão petroquímica mundial: primeiro, grandes empresas, escala é absolutamente vital; segundo, sobrevive mais facilmente quem tem integração vertical, quem está em toda a cadeia, seja na área de matérias-primas quanto no mercado final. Quanto mais integrada a empresa, maiores as condições para crescer. Essas duas questões são resolvidas com as duas empresas que foram criadas e a Petrobrás está presente nelas para viabilizar isso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.