Polícia da França vai a prédio de acusado de fraudar banco

Paradeiro do operador acusado por rombo no Société Générale é desconhecido

Da BBC Brasil, BBC

25 de janeiro de 2008 | 17h55

A polícia da França foi nesta sexta-feira ao apartamento do operador responsabilizado pela fraude de US$ 7 bilhões no banco Société Générale, o segundo maior do país.Veja também: Operador da Societé Générale provoca prejuízos demolidores Société Générale perde prestígio após fraude de US$7 bilhões Operador provoca rombo recorde de 4,9 bi no 2º maior banco francês Operações são consideradas simples na bolsa Queda nas bolsas foi acentuada pela fraude Barings quebrou após desvios Tamanho da fraude no Société Générale chocou operador que quebrou banco inglês Segundo o correspondente da BBC na capital francesa Alasdair Sandford, quatro policiais à paisana foram até o prédio onde Jerome Kerviel vivia, que se acredita que estivesse vazio. Aparentemente, eles foram fazer buscas no apartamento, mas não se sabe ao certo se os policiais entraram no imóvel, no subúrbio parisiense de Neuilly-sur-Seine. Sandford disse que, apesar da foto de Kerviel estar em todos os jornais e telejornais, o operador continha com paradeiro desconhecido - quase 36 horas depois que o escândalo no banco francês veio a público. O Société Générale já entrou com uma ação legal contra o operador. Confiança na economia A advogada do acusado, Elizabeth Meyer, não foi encontrara pela BBC em seu escritório na tarde desta sexta-feira. Ela havia dito antes que Kerviel não está foragido e está disposto a cooperar com as autoridades. Vizinhos e conhecidos de Kerviel em Paris e em sua cidade natal, na Bretanha (região no oeste da França) o descreveram como uma pessoa educada e de aparência confiável, e ainda não está claro por que ele decidiu fazer o que fez. De acordo com o correspondente da BBC, membros do sindicato dos bancários disseram que o operador tinha problemas familiares. Também nesta sexta-feira, líderes mundiais manifestaram espanto com o tamanho da fraude, dizendo que ela pode prejudicar a confiança na economia. Um conselheiro da presidência francesa disse que o operador estava lidando com mais de US$ 70 bilhões - mais do que o valor de mercado do Société Générale. O banco está presente no Brasil com o banco de investimentos e financiamentos Société Générale Brasil e a corretora Fimat. Em dezembro passado, o grupo francês concluiu a aquisição do Banco Cacique, com sede em São Paulo, especializado em créditos para o consumo. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.