Polícia descobre desvio de peças da Petrobras na Bahia

A localização de um galpão subterrâneo no município de Catu, a 78 quilômetros de Salvador (BA), na tarde de ontem, levou a polícia baiana a acreditar ter desmantelado uma quadrilha que aplicava golpes no mercado furtando peças usadas pela Petrobras em poços de petróleo e revendendo-as como novas - sobretudo para empresas prestadoras de serviços para a própria Petrobras. No compartimento, instalado no subsolo de um depósito, no bairro de Pioneiro, foram encontradas peças específicas de perfuração de poços, como perfuratizes e válvulas, com valor total estimado em cerca de R$ 6 milhões. Segundo o delegado titular de Catu, Rodrigo Costa Brito, a quadrilha atuava há cerca de um ano na região. "Os assaltantes são ex-prestadores de serviços da Petrobras e sabiam como desmontar as peças, de difícil manuseio", afirma. "Depois de subtraídos, em postos de combustíveis nos quais os caminhoneiros paravam, os equipamentos eram reformados - a maioria em uma oficina do subúrbio de Salvador - e revendidos como novos aos próprios fornecedores da empresa, na Bahia e em outros Estados."No local onde foi feita a descoberta, foi preso em flagrante José Edvaldo Costa dos Santos, de 39 anos, filho do dono do depósito, Francisco dos Santos, conhecido como Maranhão, ainda foragido. Maranhão é apontado como um dos chefes do esquema. Os nomes de outros envolvidos não foram divulgados para, segundo a polícia, não atrapalhar as investigações.Segundo a assessoria de imprensa da Petrobras, a empresa havia notificado a polícia sobre o desaparecimento dos equipamentos e colaborou com as investigações. Agora, vai confrontar o cadastro das peças desaparecidas com as encontradas pela polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.