Polícia Federal prende funcionário do banco Credit Suisse

A polícia brasileira prendeu nestaquarta-feira um funcionário do Credit Suisse como parte de umainvestigação de dois anos sobre lavagem de dinheiro e sonegaçãode impostos sobre a empresa suíça. Christian Peter Weiss foi preso no Rio de Janeiro porajudar a operar um sistema ilegal de transferência de dinheiro,afirmou a Polícia Federal em comunicado. Weiss será acusado de lavagem de dinheiro, evasão dedivisas, gestão fraudulenta, operação ilegal de instituiçõesfinanceiras e formação de quadrilha, entre outros itens, diz ocomunicado da PF. Na mais recente investigação sobre transferências ilegais,os policiais federais seguiram Weiss por quase 10 dias em SãoPaulo, onde ele se reunia com clientes e potenciais clientesantes de ser preso. O Ministério Público Federal em São Paulo afirmou que Weissseria acusado junto de outros 13 funcionários e ex-empregadosdo Credit Suisse, como parte da "Operação Suíça", iniciada em2006 quando a PF entrou em escritórios do Credit Suisse em SãoPaulo e nas residências de quatro dos seus executivos. A PF tem promovido ações contra transferências ilegais nosúltimos anos, investigando bancos internacionais para ver seeles ajudavam brasileiros a sonegar impostos. Em 2007, a polícia prendeu 20 pessoas, incluindofuncionários do UBS, do Clariden --uma unidade do CreditSuisse-- e do AIG Private Bank. Na época, a polícia afirmou queo esquema ajudava a evasão de quase 1 bilhão de reais emimpostos com transferências ilegais. Weiss e outros funcionários do Credit Suisse usam"procedimentos que, literalmente, atropelam e ignoram, porcompleto, a legislação penal financeira brasileira", diz ocomunicado do Ministério Público Federal em São Paulo. A polícia afirmou que Weiss e outros executivos do bancosuíço periodicamente voavam para o Brasil para ter contatodireto com clientes antigos e atrair novos. O Credit Suisse continuou a oferece serviços de privatebanking no Brasil mesmo depois de fechar seu escritório derepresentação no país, disse a polícia. "O Credit Suisse adere aos mais altos padrões legais eéticos e tem obedecimento estrito a normas de procedimento evai se defender e aos seus funcionários vigorosamente dessasacusações", disse Cristina von Bargen, porta-voz do CreditSuisse em Nova York. Vários brasileiros com contas numeradas no Credit Suisseforam identificados e serão investigados, disse a PF. (Reportagem adicional de Dane Hamilton em Nova York)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.