Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Polícia grega entra em confronto com grevistas

Paralisação geral de um dia levou cerca de 35 mil manifestantes para as ruas em protesto contra aperto provocado pelas medidas de austeridade

, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2011 | 00h00

ATENAS

A polícia grega entrou em confronto com manifestantes ontem, depois que milhares de pessoas seguiram em passeata até o Parlamento, em Atenas, para protestar contra medidas de austeridade baixadas pelo governo para enfrentar uma imensa dívida externa.

Policiais da tropa de choque lançaram gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral contra ativistas que jogaram bombas incendiárias contra o Parlamento enquanto grevistas corriam para se proteger.

Cerca de 35 mil pessoas saíram em passeata pelas ruas da capital grega.

Lojistas fecharam as portas e os serviços públicos pararam em toda a Grécia, na primeira greve geral deste ano no país contra as medidas de austeridade fiscal.

Os hospitais ficaram 24 horas funcionando apenas em esquema de emergência. As escolas fecharam, e os transportes foram afetados. Voos emergenciais foram autorizados apenas entre 10h e 14h (7h às 11h em Brasília), e os navios passaram todo o dia atracados nos portos.

"Esta greve inicia uma onda de protestos neste ano com a participação de trabalhadores, pensionistas e desempregados. Somos contra essas políticas que certamente estão causando pobreza e levando a economia a uma profunda recessão", disse Ilias Iliopoulos, secretário-geral do sindicato Adedy, que reúne funcionários públicos.

Arrocho. O governo socialista cortou salários e pensões e aumentou impostos no ano passado, apesar das repetidas greves. As medidas foram uma contrapartida a um pacote de 110 bilhões (US$ 150 bilhões) oferecido pela União Europeia e o FMI para salvar o endividado país da bancarrota.

Os credores estrangeiros da Grécia aprovaram neste mês uma nova remessa de US$ 15 bilhões, mas impuseram metas mais rígidas de arrecadação com privatizações e pediram mais reformas.

O governo pediu aos manifestantes para agirem pacificamente. "Os manifestantes se reuniram no centro de Atenas. "Não aguentamos mais. Estou procurando trabalho há muitos meses, enquanto outros comem com colheres de ouro", disse Thanos Lykourias, de 27 anos.

Resgate. No ano passado, o resgate à Grécia foi seguido de outro pacote de ajuda, de 85 bilhões de euros, à Irlanda. O caso grego é visto como um teste para a capacidade das economias mais fracas da zona do euro resistirem às medidas de austeridade que serão necessárias nos próximos anos para recuperar os cofres públicos e evitar uma moratória .

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse na terça-feira que uma reestruturação de prazos da dívida grega poderia ser considerada no contexto de um amplo pacote de resgate do euro. Mas o primeiro-ministro grego, George Papandreou, afirmou durante visita a Berlim que todas as reformas no seu país estão voltadas para evitar tal reestruturação da dívida./ REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.