Polícia Militar entra em conflito com bancários na greve de SP

Conflitos entre policiais militares e sindicalistas aconteceram na manhã de hoje na capital paulista. Na agência da Nossa Caixa da rua XV de Novembro, no centro, houve confrontos hoje, entre 8h30 e 9h e, a seguir, entre 10h30 e 11h, entre policiais militares e sindicalistas. Segundo relatos dos sindicalistas, houve atuação de tropas de choque e teriam ocorrido agressões. Duas pessoas foram levadas o 1º Distrito Policial e depois liberadas, uma delas o candidato a prefeito da capital, Dirceu Travessos, do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU). Os bancos estão recorrendo à Justiça para obter garantia do funcionamento de suas agências, com a presença da polícia militar. Segundo a Confederação Nacional dos Bancários, os bancos que já obtiveram liminares na justiça são o Banco Brasileiro de Descontos (Bradesco) e União de Bancos Brasileiros (Unibanco). As agências dos bancos que obtiveram liminares são mantidas abertas pela presença de policiais militares armados mas, segundo a CNB, esses policiais não podem agir no sentido de forçar os bancários a trabalhar. A CNB informa que tem informações de que mais bancos recorrerão à Justiça, mas diz não ter condições de precisar quais bancos já o fizeram. A CNB diz que não tem confirmação de que o Banco Nossa Caixa, do governo estadual, tenha obtido funcionamento sob liminar judicial. As informações são da Agência Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.