Polícia pega corretor que fraudou Société Générale em US$ 7 bi

Jerome Kerviel, 31, estava sendo interrogado neste sábado, segundo fontes judiciais citadas pela Reuters

Reuters,

26 de janeiro de 2008 | 12h24

A polícia prendeu o corretor Jerome Kerviel, acusado de ter fraudado, na última quarta-feira, o banco francês Société Générale em cerca de US$ 7 bilhões, informou neste sábado uma fonte judicial citada pela Reuters, que afirma que Kerviel, 31, foi detido para interrogatório. Pela lei francesa, um suspeito pode ficar detido por até 24 horas antes de qualquer acusação, e o prazo pode ser estendido.   Veja também: Operador da Société Générale provoca prejuízos demolidores Queda nas bolsas foi acentuada pela fraude Golpista francês apostou 50 bilhões de euros De operador retraído a maior golpista da história O jogador que pôs a Fed numa armadilha   Enquanto a maioria dos que freqüentam o saguão da bolsa de valores são diplomados de instituições financeiras renomadas, Jerome Kerviel saíra de uma escola de comércio e começou sua carreira fazendo serviços burocráticos na área administrativas.   De funcionário de nível intermediário na administração, Kerivel passou a ser encarado como o mais perigoso fraudador da história após causar um rombo de cerca de US$ 7 bilhões num dos maiores e mais respeitados bancos da França, o Société Générale.   Segundo o banco, durante um ano o funcionário conseguiu burlar extratos de controles de computador e auditorias, acumulando perdas com operações não autorizadas. Aparentemente, Kerviel dissimulava suas posições graças a uma montagem de operações fictícias para cada uma das ordens autênticas que colocava.    Embora o Société Générale afirme que o funcionário tenha agido sozinho, muitos duvidam que apenas uma pessoa seja capaz de realizar tamanha façanha.     (Colaborou Nelson D. Schwartz, do The New York Times)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.