Polícia prende quatro suspeitos por fraude no Lehman Brothers

Grupo é acusado de forjar papéis para obter mais de US$ 83 mi do banco em outubro de 2007, segundo o 'FT'

Da redação,

16 de junho de 2008 | 12h11

A polícia do Japão prendeu nesta segunda-feira, 16, quatro homens suspeitos de fraudar o banco de investimentos americano Lehman Brothers ao utilizar documentos falsos da Marubeni, a maior trading do Japão. O grupo é suspeito de forjar os papéis para obter mais de US$ 83 milhões da instituição financeira em outubro de 2007, segundo o jornal Financial Times.       Veja também:  Banco Lehman Brothers confirma prejuízo de US$ 2,8 bi   As prisões ocorreram após o banco abrir um processo contra a trading pedindo US$ 350 milhões por perdas decorrentes de um suposto investimento fraudulento. A Marubeni informou, no entanto, que não estava envolvida na fraude e que não tem a obrigação de pagar o banco.   O Lehman Brothers está procurando recuperar o capital investido em um fundo da unidade japonesa da companhia de biotecnologia LTT Bio-Pharma Co., uma empresa de consulta médica. A empresa faliu em 19 de março, deixando pesados débitos. Os fundos da LTT foram segurados pela Marubeni. A Lehman alega ainda que funcionários da Marubeni estavam por trás das fraudes.   A empresa japonesa afirmou que demitiu no dia 10 de março o funcionário Shingo Yamaura, que está entre os quatro que tiveram a prisão decretada nesta segunda. Os outros presos são: Shigenori Saito, de 46 anos, presidente da Asclepius; Yuzuru Yamanaka, de 34 anos, presidente da Bio-Pharma; e Fumihiro Takahashi, de 61 anos, presidente de uma empresa de construção de Tóquio.   A suposta fraude é o último desafio para o Lehman em meio à crise de crédito global. O súbito colapso do Bear Stearns aumentou os temores sobre se o Lehman e outras instituições financeiras vão conseguir resolver seus problemas. Um porta-voz do Lehman Brothers em Tóquio disse que o banco não iria comentar as prisões.   (com agências internacionais)

Tudo o que sabemos sobre:
Lehman BrothersMarubenifraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.