seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Polícia prende suspeito de criar fórmula de leite adulterado

Engenheiro químico foi preso no momento em que os federais realizavam buscas na Coopervale em Uberaba

24 de outubro de 2007 | 01h26

Entre as 19 pessoas presas na cidade de Uberaba, Minas Gerais, acusadas de adulterar o leite longa vida nas cooperativas Casmil e Coopervale, está o engenheiro químico apontado pela Polícia Federal como o inventor da fórmula, segundo o Jornal da Globo. O delegado da PF Ricardo Ruiz Silva disse que o engenheiro foi detido pelos agentes no momento em que os federais realizavam mandados de busca e apreensão na Coopervale.   Veja também: Parmalat descredencia cooperativas por adulteração de leite 'Consumidor não tem como detectar leite fraudado'   A Operação Ouro Branco, da PF e do Ministério Público Federal (MPF), desarticulou na segunda-feira, 22, uma quadrilha que atuava no Triângulo Mineiro e na região sul de Minas utilizando substâncias químicas impróprias para o consumo humano, como soda cáustica e água oxigenada, com o objetivo de aumentar a longevidade do leite.   Ainda segundo informações do Jornal da Globo, durante os três meses de investigação, os policiais federais já tinham a informação de que o engenheiro químico era o responsável pela fórmula para adulterar o leite e a mistura já era feita há mais de dois anos. Ele nega as acusações.   Pelo menos 27 pessoas foram presas em todo o Estado de Minas sob a acusação de envolvimento na adulteração do leite. O Ministério Público Estadual vai pedir a intervenção judicial da Casmil na cidade de Passos (MG).   Outros esquemas   A PF espera identificar outros esquemas de adulteração de leite longa-vida com base no resultado das análises das amostras que começaram a ser recolhidas em todo o País.   A PF iniciou na terça-feira, 23, o recolhimento de amostras para análises pelo Ministério da Agricultura. De acordo com o delegado Ricardo Ruiz Silva, há indícios de que as fraudes estejam sendo cometidas em outros Estados. A PF já recebeu informações de funcionários de outras cooperativas sobre supostos esquemas de adulteração. A Promotoria de Defesa do Consumidor em Uberaba determinou a apreensão das embalagens de longa-vida das marcas Centenário, Calu e Parmalat.   A Parmalat informou por meio de nota que encaminhou na terça mais de 50 amostras de todo o Brasil para análise, "procedimento que é rotineiro", e já descredenciou as cooperativas investigadas pela PF (Casmil e Coopervale), das quais "comprava apenas leite cru em quantidade muito reduzida". A empresa também colocou à disposição o telefone 0800 11 22 22 para esclarecimentos.   (Com informações de Eduardo Kattah, do Estadão)

Tudo o que sabemos sobre:
CoopervaleCasmilleite adulterado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.