Diuvulgação
Diuvulgação

Polícia usa força e dispersa caminhoneiros no RS

Por determinação da Justiça, trecho da BR-101 foi desocupado; policiais usaram bombas de efeito moral contra manifestantes

Lucas Azevedo, especial para o Estado , O Estado de S. Paulo

27 Fevereiro 2015 | 11h11

PORTO ALEGRE - A Força Nacional e a tropa de choque da PRF (Polícia Rodoviária Federal) desbloquearam a BR-101, na altura da cidade de Três Cachoeiras, no litoral norte gaúcho, na manhã desta sexta-feira, 27. O trecho estava interrompido por caminhoneiros que participam do movimento nacional contra a alta do diesel, dos pedágios e pelo aumento no valor dos fretes. Houve confusão e ao menos duas pessoas foram presas. 

O desbloqueio foi feito após tentativas de negociação entre PRF e os motoristas que ocupavam a estrada nos dois sentidos. Cerca de dois mil caminhões estavam parados na via.  

A Força Nacional foi acionada na quinta-feira, 26, depois que a determinação da Justiça para que a estrada fosse liberada não foi cumprida. Na manhã desta sexta-feira, a tropa de choque da PRF utilizou bombas de efeito moral para afastar os manifestantes. Alguns caminhões tiveram cabos cortados com o intuito de serem impedidos de deixar o local. 

Mais cedo, moradores de Três Cachoeiras se juntaram aos motoristas no movimento. Muitas mulheres participaram da interrupção da estrada. Algumas crianças foram utilizadas como escudo entre a polícia e alguns manifestantes. 

No RS seguem os bloqueios. Um deles ocorre na BR-471, entre Rio Grande e Santa Vitória do Palmar, no sul do RS, por onde passará a comitiva presidencial. À tarde a presidente Dilma Rousseff participará da inauguração de um parque eólico. A polícia acompanha de perto a movimentação dos manifestantes. 

Bloqueios. As estradas federais brasileiras tinham 59 interdições nesta manhã de sexta-feira devido aos bloqueios de caminhoneiros, um número menor do que o registrado na véspera, quando governo anunciou que começaria a multar manifestantes. 

A Polícia Rodoviária Federal registrava bloqueios em cinco Estados (Mato Grosso, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Ceará), ante 88 interdições na noite anterior em seis Estados. 

Os caminhoneiros que continuarem bloqueando rodovias do país poderão ter de pagar multas judiciais de R$ 5 mil a R$ 10 mil por hora, disse na quinta-feira, 26, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. 

Segundo boletim desta manhã da Polícia Rodoviária Federal, 25 autuações foram realizadas no Paraná e uma no Rio Grande do Sul. Em Mato Grosso do Sul, policiais prenderam uma pessoa. O relatório não detalha as circunstâncias da prisão. 

Os bloqueios estão prejudicando o transporte de mercadorias, afetando principalmente as indústrias de alimentos. 

A BRF, uma das principais empresas de alimentos do mundo e maior exportadora de carne de aves do país, está tendo dificuldades para cumprir alguns embarques programados para o exterior, devido a protestos de caminhoneiros que bloqueiam as estradas neste mês, disse o presidente do Conselho de Administração da companhia, Abilio Diniz. 

Outra companhia do setor de carnes, a JBS, informou nesta semana a suspensão das atividades em oito unidades. (Com informações da Reuters)

Mais conteúdo sobre:
Caminhoneirosgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.