coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Política continua no foco das atenções

O mercado financeiro, apesar de dados positivos sobre a inflação, deve operar com cautela à espera da divulgação dos resultados da pesquisa da Toledo e Associados para a sucessão presidencial. A coleta foi feita entre os dias 1º e 8 de maio e deve captar os efeitos sobre o eleitorado depois das denúncias de pagamento de propina ao ex-tesoureiro da campanha de José Serra, Ricardo Sérgio, no processo de privatização da Vale do Rio Doce. A divulgação está marcada para este final de semana.O temor do mercado é de que a sondagem aponte uma queda de José Serra, caindo para o terceiro lugar, atrás de Anthony Garotinho. Nas últimas pesquisas, os dois apareceram tecnicamente empatados no segundo lugar. Além disso, os investidores temem, ainda, uma disparada do pré-candidato do PT, Luís Inácio Lula da Silva, provocando mais ainda apreensão nos mercados. Vale lembrar que esse foi um dos motivos para que algumas instituições financeiras estrangeiras - Merrill Lynch, Morgan Stanley, ABN-Amro e Santander -, na semana passada, recomendassem aos seus clientes diminuírem seus investimentos nos Brasil por temerem uma possível vitória de Lula nas eleições presidenciais.Já a inflação se mostra como um dos aspectos positivos. Ontem, a primeira prévia do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) de maio apontou uma alta de 0,17%, próximo ao piso das expectativas, que variavam entre 0,10% e 0,75%. O resultado confirmou a desaceleração dos chamados preços livres. Segundo os técnicos da Fundação Getúlio Vargas (FGV), se não fosse o impacto da alta da gasolina, o índice teria apontado deflação.Na Bolsa, os resultados positivos apurados pela empresa americana de tecnologia Cisco Systems contribuíram para uma alta de 2,22% do Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bovespa - ontem, que só não foi maior pelas incertezas no cenário político. Há pouco, o índice operava em queda de 0,89%, indicando que o otimismo de foi passageiro, como previam os operadores.Já o dólar comercial estava sendo cotado a R$ 2,4480, em alta de 0,41% em relação ao fechamento de ontem. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagam taxas de 19,000% ao ano, frente a 19,030% ao ano negociados ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.