Política de Chávez beneficia indústria farmacêutica

O discurso do presidente Hugo Chávez pode colocar medo em muita multinacional. Mas, para um setor, a realidade é que o líder de esquerda da Venezuela está tendo um impacto positivo para os cofres das multinacionais. Trata-se do setor farmacêutico, que vive uma situação única na Venezuela. Por trás do discurso político, a realidade é que o governo está comprando cada vez mais das companhias estrangeiras, pelo menos no setor de saúde. Segundo dados da Novartis, o mercado venezuelano de remédios é o que mais cresce hoje no mundo, alimentado pelo dinheiro do petróleo, decisões do governo local de gastar com saúde e a falta de capacidade de produção local. Diante dessa realidade, Caracas está sendo obrigada a comprar do exterior e depende de importações para distribuir os remédios. O resultado é que as vendas de remédios das multinacionais aumentaram em mais de 28% em 2006. Segundo Luis Villalba, presidente da Novartis para as Américas, o aumento nas vendas no ano passado foi de 32%. "Desde que Chávez está no poder, tivemos um crescimento constante de nossas vendas", afirmou.Os números, por exemplo, são bem superiores aos do Brasil, com um crescimento anual de vendas de remédios de 14%. As vendas ainda são superiores a dos mercados peruano, colombiano e equatoriano juntos e ficam já acima da Argentina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.