Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Política de tecnologia

O Brasil está mal em tecnologia e inovação. Quando pensamos nos eletrônicos, temos uma política antiquada, que impõe barreiras ao mercado interno para atrair a montagem de produtos finais no País. Existem alguns benefícios, como empregos gerados por aqui e investimento obrigatório em pesquisa, que, na prática, acaba gerando desenvolvimento de software e treinamento de mão de obra.

Renato Cruz, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2014 | 02h06

Os resultados, porém, são ruins para o consumidor e para a própria competitividade da economia brasileira. A tecnologia da informação é hoje insumo básico para qualquer setor econômico, e os celulares e computadores brasileiros estão entre os mais caros do mundo. A indústria instalada aqui não é competitiva, principalmente por causa da carga tributária, de gargalos logísticos e da falta de produção local de componentes.

O iPhone e o iPad, da Apple, são produzidos em Jundiaí, interior de São Paulo, e na China. Em Jundiaí para o Brasil e na China para o restante do mundo. O videogame Xbox, da Microsoft, é fabricado em Manaus e na China. Em Manaus para o Brasil e na China para o restante do mundo. A atual política de eletrônicos não conseguiu criar uma indústria de nível mundial, e somos todos prejudicados.

Existe uma visão consensual de que é difícil mexer nos impostos no Brasil porque muitos setores recebem algum benefício e, na hora de se propor alguma mudança, a oposição de vários grupos é grande, por medo de que esses benefícios se percam.

Só faz sentido proteger uma indústria por tempo limitado, para que ela ganhe força para competir no mercado mundial. No caso brasileiro, essa estratégia de tornar a produção local apta a conquistar outros países ou não existe ou não funciona.

A gente também vê políticas inadequadas e antiquadas em outras áreas da tecnologia. Um exemplo é o Plano de Banda Larga, criado no governo passado e renovado neste governo. O plano sempre foi marcado por objetivos modestos, levar conexões de baixa velocidade a certo número de casas sem que houvesse um acompanhamento mais rígido de metas e objetivos. Sem esse plano a banda larga teria crescido menos? Talvez. Mas, com um plano mais estruturado, seria possível fazer mais? Com certeza.

As pessoas reclamam da má qualidade do serviço de telecomunicações no Brasil, e não existe uma visão de longo prazo de onde se quer chegar com essa infraestrutura essencial. O conceito de universalização que as telecomunicações utilizam até hoje vem da segunda metade da década de 1990, e diz respeito à telefonia fixa. Os objetivos a serem alcançados são um remendo do que foi definido na época da internet discada.

Neste ano de eleição presidencial, onde está a discussão sobre esses temas?

Tudo o que sabemos sobre:
renato cruz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.