Política do BC impede o crescimento, diz Lessa

"O modelo de metas monetárias adotado pelo Banco Central (BC) impede o Brasil de crescer", afirmou o professor de Economia da UFRJ e ex-presidente do BNDES Carlos Lessa. Segundo ele declarou ao programa Conjuntura Econômica, da "TV Cultura", o regime monetário estabelece que um crescimento do PIB acima de 3% provocaria inflação. "Nesse sentido, para o BC é intolerável que o Brasil cresça acima de 3% ao ano." O ex-presidente do BNDES defende uma maior participação do Estado na economia, por meio de um aumento dos investimentos públicos. "Infelizmente, a taxa de investimentos no Brasil caiu muito", frisou Carlos Lessa. "Quando o Brasil crescia 6% a 7% ao ano, ela andava em torno de 23% do PIB, agora é de 18% a 19% do PIB", contabilizou o professor. "Esse crescimento rastejante é que é assustador." Contrariando a opinião de muitos analistas, Lessa acha que o Estado deveria tomar a frente para elevar a taxa de investimentos no País. Esse aumento da participação do Estado se daria pela incorporação de companhias e, principalmente, do investindo em infra-estrutura e em equipamentos sociais. "No Brasil, o gasto público é relativamente pequeno", salientou. "É curioso como no Brasil se faz um discurso dizendo que o País tem muitos funcionários. O Brasil tem menos de dez funcionários por mil habitantes, enquanto os Estados Unidos têm 110 funcionários por mil habitantes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.