Política do Fed considera impacto no exterior

O vice-presidente do Federal Reserve, Stanley Fischer, disse neste sábado que o banco central norte-americano é bastante consciente das repercussões globais de seus atos. O Fed tem sido criticado por supostamente ignorar o impacto de suas políticas no exterior. "Num mundo em que a economia e o sistema financeiro estão cada vez mais integrados, um banco central não pode ignorar as repercussões além de suas fronteiras, e o Fed não é uma exceção", disse Fischer, que assumiu o cargo em maio.

Estadão Conteúdo

11 de outubro de 2014 | 20h06

"O estado da economia norte-americana é afetado consideravelmente pelo estado da economia mundial. O Federal Reserve dedica recursos significativos para monitorar a evolução na economia de outros países, inclusive a de mercados emergentes", afirmou.

Ele reconheceu, no entanto, o impacto de algumas medidas do Fed sobre os mercados financeiros internacionais. "Não há muita dúvida de que as ações agressivas adotadas pelo Federal Reserve para mitigar os efeitos da crise financeira global afetaram consideravelmente os preços de ativos aqui e no exterior, assim como o fluxo internacional de capitais."

Fischer disse ainda que o Fed ficará bastante atento ao impacto global de um aumento da taxa de juros nos Estados Unidos. A expectativa é de que o aperto monetário no país tenha início no primeiro semestre de 2015, após mais de seis anos de juro zero. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
FEDFISCHER

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.