Política monetária no Brasil merece reconhecimento, diz Snow

O secretário do Tesouro norte-americano, John Snow, disse que as conquistas da política monetária do Brasil e da Argentina merecem reconhecimento especial. Ele fez essa observação hoje, durante seu discurso, em conferência promovida pelo Council of the Americas. "As autoridades latino-americanas vêm perseguindo sólidas políticas fiscal e monetária. Por exemplo, seis das sete maiores economias da região (Brasil, Argentina, Colômbia, México, Chile e Peru) elevaram, com sucesso, o superávit primário do Orçamento para reduzir os níveis da dívida ao longo do tempo e reduziram, ou mantiveram, inflação baixa em 2003", afirmou.Ele lembrou que tanto o Brasil quanto a Argentina passaram por grandes depreciações da moeda em 2002, mas a boa gestão monetária impediu que essa depreciação se transformasse em espiral inflacionária. "No Brasil, por exemplo, uma maior confiança na política fiscal e a tendência de queda nas expectativas inflacionárias permitiram ao Banco Centrla cortar agressivamente as taxas de juros nos últimos dez meses. As taxas de juros reais estão agora em menos de 10%, o que ajuda a estimular um crescimento econômico mais rápido em níveis de investimento", afirmou.Melhora do perfil da dívidaSnow destacou ainda a gestão da dívida do Brasil como um dos pontos que levaram a uma melhora na estabilidade econômica. "Economias mais estáveis refletem o progresso dos países em fortalecer o seu perfil da dívida e aprofundar o mercado de capitais doméstico. Por exemplo, o Brasil reduziu fortemente a proporção de sua dívida atrelada à taxa de câmbio. No ano passado, o México emitiu pela primeira vez papéis com taxas fixas denominadas em peso", afirmou.Ele observou também que os países da América Latina vêm desempenhando importante papel e vêm tendo grande sucesso em introduzir cláusulas de ações coletivas (CAC) nas suas emissões de bônus. Ele citou o Brasil, Colombia, Peru, Panamá, Costa Rica, Uruguai Venezuela e México, o qual foi o pioneiro em adotar essa prática em fevereiro de 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.