Adriano Machado/Reuters - 11/8/2020
Adriano Machado/Reuters - 11/8/2020

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Políticos articulam reaproximação de Guedes e Maia após troca de farpas

Articulação tem como objetivo 'costurar' uma saída para o Renda Cidadã, sem prejudicar questão fiscal

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2020 | 15h31
Atualizado 05 de outubro de 2020 | 09h27

BRASÍLIA – Autoridades e políticos começaram a costurar no fim de semana em Brasília uma articulação para evitar o agravamento da crise provocada pelo impasse em torno do financiamento do Renda Cidadã, o programa social que vai substituir o Bolsa Família. Depois da forte deterioração do mercado na sexta-feira, 2, com o temor dos riscos fiscais, o grupo entrou em campo para apaziguar a relação do ministro da Economia, Paulo Guedes, com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Leia Também

Encrenca geral

Encrenca geral

A avaliação política é de que não dá para esperar 55 dias até o final das eleições municipais, em 29 de novembro, para diminuir o atual ambiente de incerteza. O maior temor do mercado é com o racha no governo em torno da forma de financiamento do Renda Cidadã.

O Estadão apurou que o movimento visa a buscar um entendimento para aprovação de medidas para o financiamento do programa social sem a deterioração das contas públicas.

Durante o sábado e o domingo, foram intensas as conversas e reuniões para pavimentar uma saída política para o impasse, que tem levado à piora acelerada dos indicadores de mercado, como juros, câmbio e Bolsa, no rastro das incertezas com o futuro do teto de gastos – a regra que impede o crescimento das despesas acima da inflação.

Agenda consensual

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e lideranças políticas do Senado apoiam uma agenda consensual. A avaliação no momento é que a aproximação é derivada da necessidade de planejamento de uma agenda de medidas até o fim do ano. De acordo com fontes que participam das negociações, o recado dessa aproximação é de que o mais importante “é a tese, não as pessoas”.

O encontro entre Maia e Guedes deve acontecer nesta segunda-feira, 5, na residência do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas. A articulação partiu também dos senadores Renan Calheiros (MDB-AL), Kátia Abreu (PP-TO) e outros políticos, além do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), José Mucio Monteiro. Mucio conversou com Guedes sobre o encontro e Dantas fez o convite aos dois. Maia está curado desde a última quarta-feira da covid-19.

Na semana passada, a tensão entre Guedes e Maia subiu de tom. Guedes acusou Maia de ter feito um acordo com a esquerda para travar propostas de privatizações do governo. O presidente da Câmara rebateu dizendo que o ministro estava “desequilibrado”

Durante almoço no sábado, ministros do TCU e parlamentares avaliaram que é preciso reforçar o Renda Cidadã com cortes de despesas.

“A responsabilidade fiscal é um avanço civilizatório irrenunciável. Governo e Congresso certamente terão capacidade de encontrar a fórmula justa e adequada. Desenvolvimento e redução de desigualdades pressupõem ambiente estável e confiança nos fundamentos de nossa economia”, escreveu Bruno Dantas nas redes sociais no domingo, 4. 

Guedes e Marinho

A tensão aumentou também com a briga pública entre Guedes e ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, na sexta-feira. Marinho defende uma flexibilização do teto de gastos para deixar fora o Renda Cidadã. O limite do teto de gastos é hoje o maior entrave para o programa, na avaliação do grupo de aliados do ministro Marinho.

Guedes e sua equipe, porém, não aceitam essa flexibilização. Políticos tentam buscar uma saída para o impasse antes que a crise em torno do programa social piore diante do racha no governo.

O presidente Jair Bolsonaro chamou Guedes para um churrasco no sábado, depois da briga com Marinho, mas não se posicionou ainda numa defesa mais forte publicamente. Marinho foi convidado para o evento, mas não compareceu. A briga deixou o presidente irritado. A expectativa é que ele faça uma censura pública ao ministro do Desenvolvimento Regional. 

Ministros ouvidos pelo Estadão manifestaram preocupação com o desenrolar da crise e tentam acalmar os ânimos. Um ministro, na condição de anonimato, disse que Marinho passou do ponto ao criticar Guedes em evento no mercado financeiro.

Assim como Guedes, Maia é defensor do teto sem mudanças e escreveu artigo se posicionando sobre o tema. Líderes do Centrão que disputam a eleição para a sucessão de Maia não veem com bons olhos o encontro.

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo GuedesRenda CidadãRodrigo Maia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.