Políticos europeus agem como sonâmbulos, diz 'Economist'

Políticos europeus estão agindo como sonâmbulos e, se não saírem da letargia em que se encontram, a zona do euro se estagnará ou pode ter até uma ruptura, diz reportagem da revista The Economist que chega neste fim de semana às bancas. A capa mostra uma montagem com fotos de nove líderes da Europa caminhando despreocupados em direção a um precipício.

LONDRES, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2013 | 02h08

A revista lembra que a economia da região encolheu pelo sexto trimestre consecutivo e destaca que a contração da atividade está se espalhando para países importantes, como a Holanda, ou mais resilientes, como a Finlândia. O texto ainda lembra que o desemprego de 12% é recorde e que, apesar dos intensos cortes de gastos recentes, os déficits dos governos da região são "altos e persistentes".

"Os bancos são descapitalizados e os credores internacionais estão preocupados com as suas perdas que ainda serão contabilizadas", diz a revista.

Após anos de crise, a revista diz que a lista do que precisa ser feito é clara e a união bancária aparece entre as prioridades. O texto diz que os alemães são um dos culpados pela interrupção dos avanços sobre o tema.

Para a The Economist, os EUA se recuperaram antes da Europa "não só porque têm sido menos austeros, mas também porque resolveram rapidamente seus problemas com os bancos." / FERNANDO NAKAGAWA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.