Pólo de Camaçari cobra ações do governo

O início das comemorações pelos 30 anos do Pólo Industrial de Camaçari, na Bahia, foi marcado por cobranças à administração pública. Em um café da manhã organizado na Associação Comercial da Bahia, em Salvador, os empresários e executivos das empresas instaladas no pólo entregaram ao governador do Estado, Jaques Wagner, a Carta do Pólo, na qual listam as ações que precisam ser feitas para que a área seja globalmente competitiva."Nossos tópicos são listados, basicamente, em três grandes áreas: a ampliação de acesso a matrizes energéticas e hídricas, a melhoria nas áreas de infra-estrutura e logística e a adequação fiscal e tributária", explica o presidente do Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (Cofic), Marcelo Lyra. "Resolvendo esses desafios, temos condições de atingir a excelência da produção e da gestão e competir de igual para igual com os pólos mais desenvolvidos, como os do Oriente Médio."De acordo com o governador, muitas sugestões apresentadas já estão contempladas por estudos desenvolvidos pela administração pública. "Há pontos que já vão ser feitos, como a recuperação das rodovias e ferrovias que margeiam o pólo, prevista no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento)."O Pólo de Camaçari faz 30 anos no próximo domingo, registrando o melhor momento da história. São 90 empresas instaladas, com 35 mil empregos diretos e indiretos e um faturamento de US$ 15 bilhões no ano passado - responde por 30% do Produto Interno Bruto baiano. "Nossa intenção é ampliar ainda mais as operações e diversificar a produção, ainda muito concentrada no setor petroquímico", afirma Lyra. A programação das comemorações começou hoje, com o "Fórum Empresarial Pólo 30 Anos - desafios, oportunidades e perspectivas para as próximas décadas", e segue até 12 de julho. Destaque para a inauguração, no dia 8, do Memorial do Pólo Industrial de Camaçari.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.