Wanezza Soares/ Estadão Blue Studio
Wanezza Soares/ Estadão Blue Studio
Conteúdo Patrocinado

Polo industrial, São Bernardo do Campo quer atrair novos investimentos

Estudo da FGV-SP mostra que investimentos públicos e privados podem ter impacto de até R$ 38 bilhões na cidade; prefeitura vem investindo em melhorias e desburocratização

Prefeitura de São Bernardo do Campo, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

13 de dezembro de 2021 | 08h00

Sede de importantes montadoras de veículos e um dos principais polos industriais do Brasil, a cidade de São Bernardo do Campo está passando por uma transformação em sua economia mesmo em momento de crise no País. É o que mostra um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP), feito a pedido da prefeitura, que mapeou os investimentos públicos e privados feitos neste ano e os previstos para 2022. Somados, eles chegam a R$ 9 bilhões. "Toda semana chegam novos investimentos na nossa cidade, gerando novos empregos e oportunidades", disse o prefeito Orlando Morando (PSDB), durante o evento de lançamento do "Invista São Bernardo", que reuniu empresários e representantes de diversos setores produtivos e também de órgãos governamentais. 

O levantamento feito pela FGV-SP mostra que esse volume de investimentos - R$ 6,5 bilhões provenientes da iniciativa privada - pode trazer um retorno de R$ 38 bilhões para São Bernardo do Campo e gerar 229,6 mil postos de trabalho. "O investimento privado é da ordem de três vezes o investimento público, e isso significa que existe um ambiente de negócios favorável", afirma Robson Gonçalves, consultor da FGV-SP. 

O governo municipal vem adotando estratégias que vão de incentivo fiscal a desburocratização na emissão de licenças, passando pela readequação do sistema viário da cidade, a fim de atrair companhias de áreas como logística, infraestrutura, armazenamento, entre outras. "Usamos uma equação simples: os menores impostos da região e menor burocracia", disse Morando. 

Por meio de uma metodologia que levou em conta os alvarás de obras, o mapeamento da FGV mostrou que os investimentos nas áreas de logística/indústria predominam na cidade, com 43,2%. E a história da venda do terreno da antiga fábrica da Ford ilustra isso. A planta industrial da unidade, que foi fechada há três anos, foi comprada pela construtora São José. Com um investimento de R$ 1,3 bilhão, o local vai se transformar em um complexo de galpões com 450 mil metros quadrados. "Vamos desenvolver nessa área um dos maiores complexos logísticos da região e do País", conta Mauro Cunha Silvestri, sócio-diretor da construtora São José. "A prefeitura foi muito célere, e isso faz toda a diferença quando um empresário escolhe uma região para empreender", disse.   

 Mesmo focando na diversificação de investimentos, São Bernardo do Campo continua valorizando a participação da indústria automotiva em sua economia. E os desafios para o futuro nessa área são grandes - e eles virão do desenvolvimento de veículos com menor emissão de gás carbônico. Até 2035, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), 60% de veículos novos já terão essas tecnologias. "É previsto um novo boom de investimentos, entre 2030 e 2035, que pode significar mais de R$ 150 bilhões, e com certeza as fábricas que estão aqui participarão desse processo", disse Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea. 

 Seguindo o conceito da InvestSP, agência paulista de promoção de investimentos e competitividade, que tem como objetivo fortalecer a economia do estado e atrair investimentos, foi idealizada a Invista São Bernardo. "Esse é um trabalho importante, que mostra ao investidor vantagens e riscos de investir em uma cidade em detrimento de outra", diz Gustavo Junqueira, presidente da InvestSP. "Só em São Paulo, são 645 municípios; então, não é uma concorrência simples. Isso sem falar nos outros estados e também nos grandes centros de atração de investimento do mundo. São Bernardo está concorrendo com Detroit, Miami, México, China, Argentina", comentou. 

Com uma localização privilegiada, dada a proximidade dos aeroportos de Guarulhos e de Congonhas, do porto de Santos e da própria capital paulista - maior centro consumidor da América Latina -, São Bernardo investiu em uma série de obras, entre elas uma que facilitou o acesso a rodovias como Anchieta, Imigrantes e Rodoanel. Em 2021, investimentos públicos em obras e reformas são da ordem de quase R$ 575 milhões. Em 2022, a previsão é de que esse valor chegue a R$ 1,2 bilhão. Com essas ações, a cidade vem se consolidando como uma das melhores do País para fazer negócios na área da indústria - e deve continuar seguindo o ritmo de crescimento registrado no estado de São Paulo. "Temos uma agenda de sucesso com São Bernardo e estamos aqui numa trajetória de crescimento, de força, de criação de emprego e renda", afirmou Henrique Meirelles, secretário da Fazenda e Planejamento do estado de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.