finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Polonesa Synthos vai investir até R$ 640 milhões no RS

Empresa levará adiante projeto da fábrica mesmo sem acordo entreBraskem e Petrobrás sobre preço da matéria-prima

GABRIELA LARA , correspondente, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2015 | 02h03

PORTO ALEGRE - A empresa polonesa Synthos, que produz borracha sintética, decidiu dar a largada na implantação de uma fábrica no Brasil mesmo sem ter a confirmação do fornecimento de matéria-prima, que depende de uma negociação ainda em aberto entre a Braskem e a Petrobrás. Na semana passada, diretores da Synthos assinaram um protocolo de intenções com o governo do Rio Grande do Sul prevendo um investimento de até R$ 640 milhões na instalação de uma unidade no Polo Petroquímico de Triunfo, a 80 km de Porto Alegre.

De acordo com Maurênio Stortti, que responde pelo projeto de engenharia da fábrica e foi nomeado representante legal da Synthos no RS, o objetivo é começar a obra em abril. "Estamos esperando que o governo estadual emita a licença de instalação, o que deve ocorrer em quinze dias", afirmou. A previsão é de que em julho de 2017 a planta estará pronta para produzir borracha para a indústria automotiva nacional.

A iniciativa demonstra uma mudança de postura por parte da Synthos, que nos últimos meses vinha mantendo o projeto em compasso de espera. O principal empecilho era a incerteza com relação à principal matéria-prima da Synthos, o butadieno, que seria comprado da unidade da Braskem localizada também em Triunfo. Para viabilizar esse fornecimento, no entanto, a petroquímica brasileira precisa concluir a negociação com a Petrobrás sobre o preço da nafta, usada para produzir o butadieno.

O pontapé inicial no projeto brasileiro da Synthos ocorre em um momento em que Braskem e Petrobrás seguem em fase de negociação. O último acordo entre as companhias vigorou entre 2009 e fevereiro de 2014. Como não chegaram a um consenso, uma vez que a estatal queria fazer um reajuste, as companhias firmaram um contrato aditivo, válido por seis meses. O prazo venceu em agosto, e um segundo aditivo, assinado na época, vencerá no fim do próximo mês.

Procurada, a Braskem informou que "busca um contrato de longo prazo de fornecimento de nafta com a Petrobrás".

De acordo com o representante da empresa polonesa, no momento o maior obstáculo para o andamento da obra é outro. A empresa alemã Lanxess, que fabrica borracha sintética no Brasil, protocolou em Brasília um pedido de investigação de dumping contra fabricantes que exportam o produto para o País, como a Synthos.

A investigação não diz respeito somente à Synthos, mas a companhia foi citada. "Se o processo avançar, prejudicando as exportações da Synthos, pode também prejudicar o investimento no Brasil", explicou. Os diretores da empresa pediram apoio do governo estadual para tratar da questão em Brasília.

Tudo o que sabemos sobre:
sYNTHOSRio Grande do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.