Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Polos calçadistas lideram abertura de vagas em SP

As cidades de Franca e Jaú, polos das produções de calçados masculino e feminino - respectivamente -, lideraram a criação de empregos em março no Estado de São Paulo. A constatação é do Centro das Indústrias do estado de São Paulo (Ciesp), que divulgou o levantamento do desempenho do setor industrial. As duas cidades criaram quase 3 mil novas vagas de trabalho somente em março e acumulam cerca de 6 mil postos de trabalho nos três primeiros meses do ano.

RENE MOREIRA , ESPECIAL PARA O ESTADO / FRANCA, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2012 | 03h07

Nas 35 regiões pesquisadas, a análise dos dados do nível de emprego em relação ao mês anterior apresentou resultado negativo em 22, neutro em três e positivo em 10.

Na região de Jaú, composta por 11 municípios e que liderou o ranking, o nível de emprego industrial em março possibilitou a criação de 1.350 postos de trabalho, uma variação de 3,70%. No ano, o saldo também é positivo em 7,12% (2.500 postos). Na região de Franca, com 19 municípios, houve um acréscimo de aproximadamente 1.500 postos. No ano, o acumulado é de 7,40%, representando 3.200 novas vagas.

A pesquisa de criação de emprego no Estado tem na outra ponta da tabela a região de São Carlos com a maior queda registrada em março. A taxa medida foi de um recuo de 6,75%.

Bom para alguns. Na Carmen Steffens, foram contratados nos primeiros três meses deste ano 100 funcionários, sendo 80 deles para a fábrica de calçados e 20 para o curtume, também pertencente à empresa com cerca de 1.400 funcionários. Ana Teresa Soares Silva, gerente de Recursos Humanos, diz que, agora, as contratações foram interrompidas porque é época de mudança de coleção. "Geralmente novos empregados são recrutados nos três primeiros meses do ano."

Renato de Paula, um dos sócios da indústria de calçados Kissol, diz que manteve estável este ano o número de funcionários. Segundo ele, o grande problema é a queda enfrentada nas exportações. "Mesmo assim a situação está bem complicada", afirmou. A Kissol exporta calçados para Estados Unidos, Mercosul e Europa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.