André Borges/Estadão
André Borges/Estadão

População é proibida de acompanhar votação no plenário da Câmara

Deputados chegaram a pedir ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que tomasse alguma atitude para permitir o acesso

André Borges, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2019 | 19h10

BRASÍLIA - As arquibancadas do plenário da Câmara foram esvaziadas durante a sessão plenária que vai votar a reforma da previdência. Manifestantes iniciaram um protesto na entrada do anexo 2 da Câmara, depois de serem impedidos de entrar no prédio.

A Polícia Legislativa foi chamada e isolou a entrada. Policiais detinham cacetes e spray de pimenta das mãos. Deputados chegaram a pedir ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que tomasse alguma atitude para permitir o acesso das pessoas ao plenário.

A parte superior do plenário é reservada para qualquer cidadão interessado em acompanhar as votações da Câmara. Desde que haja vagas, o cidadão apresenta um documento de identificação e entra no local.

Maia, no entanto, disse que não se trata apenas de pessoas que querem acompanhar as votações, mas de manifestantes que pretendem atrapalhar o rito da votação.

STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, porém, concedeu habeas corpus ao Sindicato dos Servidores do Ministério Público da União e do Conselho do Ministério Público para que tenham acesso às galerias da Câmara durante votação da reforma da Previdência em primeiro turno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.