Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

População teme a não conclusão das obras

Moradores temem que, com a autorização em mãos, a Norte Energia deixe de executar os trabalhos ainda não concluídos

Renée Pereira, O Estado de S. Paulo

24 Maio 2015 | 03h44

A expectativa de o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) liberar a Licença de Operação para a Hidrelétrica de Belo Monte tem deixado os moradores de Altamira em alerta. Eles temem que, com a autorização em mãos, a Norte Energia deixe de executar as obras que ainda não foram concluídas. O diretor socioambiental da concessionária, José de Anchieta dos Santos, afasta qualquer risco nesse sentido.

Segundo ele, só em Altamira os investimentos da Norte Energia para cumprir às condicionantes socioambientais somam algo em torno de R$ 1,3 bilhão. "Todas as obras estão contratadas e vamos entregar até setembro", afirma o executivo. Os movimentos sociais, no entanto, não têm tanta convicção disso. Até os empresários temem que alguns investimentos não sejam finalizados.

"Nossa expectativa era de que houvesse uma melhora mais expressiva da infraestrutura local da cidade. Esperamos que a revitalização da área dos igarapés seja conforme o previsto inicialmente e que não seja feito de qualquer jeito, só aterrando e plantando algumas árvores", afirma o empresário Valdir Antônio Narzetti.

As reclamações da líder do movimento Xingu Vivo, Antonia Melo, são mais voltadas à remoção dos moradores das palafitas para novos bairros. Segundo ela, há muita gente que ainda não foi realocada nem tem previsão de receber uma casa.

Santos reconhece que algumas famílias não receberão casas porque invadiram o local depois do início da construção exatamente com o objetivo de ganhar um imóvel. "Estamos abertos à negociação. Já sugerimos comprar um terreno para eles construírem a casa, mas nem todos aceitam a proposta. De qualquer forma, já autorizei os advogados a entrar na Justiça para reintegração de posse." No total, cerca de 405 famílias estão nessa situação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.