finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Populares também serão mais seguros

Airbag dianteiro e freio ABS serão obrigatórios a partir de 2014 e vão expulsar do mercado modelos como Kombi, Mille, Ka e Gol G4

CLEIDE SILVA, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2013 | 02h17

A obrigatoriedade de airbags dianteiros e freios ABS em todos os carros novos a partir de 1.º de janeiro vai expulsar do mercado os modelos Kombi, Gol G4, Ka, Fiesta Rocam e Mille, mas introduzirá no País uma frota de carros populares mais seguros. Esse segmento, também chamado de "entrada", é composto pelos modelos mais baratos de cada marca e ficou para o fim da fila na lista de instalação desses equipamentos.

Por ser de uma faixa de produto que o mercado considera sensível aos preços - e os novos itens vão aumentar os custos -, as montadoras optaram por esperar até o último momento para equipar esses automóveis com os itens de segurança. O cálculo do presidente da Volkswagen, Thomas Schmall, é de alta de R$ 600 a R$ 800 por carro.

Modelos médios e os mais caros receberam airbag e ABS ao longo dos últimos três anos, quando teve início o programa gradual de instalação. Os carros de entrada que ainda não têm os equipamentos de série e passarão a ter em janeiro são Palio Fire (Fiat), Celta (GM), Gol G5 (Volkswagen), Clio e Sandero Authentique (Renault). Hoje, algumas versões desses veículos podem ser adquiridas com os sistemas, mas apenas como opcionais.

Os modelos que vão sair de linha, como a Kombi, não têm estrutura para receber airbag ou sua introdução não compensa o custo, por tratar-se de produto defasado. O Gol G4, da Volkswagen, e Ka e Fiesta, da Ford, serão substituídos no primeiro semestre de 2014 pelos globais Up! e novo Ka.

O Mille só terá substituto em 2015, segundo informações de analistas do setor automotivo, enquanto a Kombi deixará um vazio no mercado, pois não há outro veículo da mesma categoria e faixa de preço em estudo pela Volkswagen.

Como despedida, a Kombi ganhou uma série especial, vendida a R$ 85 mil desde agosto. O Mille terá em breve uma versão de despedida, mas a preços mais próximos da versão atual.

Nenhuma fabricante admite que repassará ao consumidor o aumento de custo por causa das novas tecnologias. Alegam que vão analisar caso a caso, em razão principalmente da concorrência, que fica cada vez mais acirrada com a chegada de novas fabricantes.

Um exemplo da diferença de preço é o Celta LT com quatro portas, que custa R$ 28.140 sem ABS e airbag, e R$ 30.440 com os dois itens, além de ar-condicionado. Já o recém-lançado Renault Logan custa R$ 28.990 com os dois equipamentos, R$ 990 a mais que a versão anterior, sem os dois sistemas.

A instalação de airbag e ABS em todos os carros novos chega ao Brasil muito depois da adoção em veículos europeus, americanos e japoneses e só após ser determinada pela legislação local. Outro item que pode passar a ser obrigatório em 2014 é o rastreador, mas ainda depende de aval do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Exigência. Embora alguns analistas vejam a medida como uma porta para a introdução de outros itens de segurança, o sócio da consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC), Ricardo Pazzianotto, acredita que o segmento de carros mais baratos "só receberá os equipamentos que forem exigidos por lei".

Segundo o consultor, a introdução de novas tecnologias implica custos e a competição entre as marcas está acirrada, especialmente no segmento de carros mais baratos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.