Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Por combustível, polícia reduz duração de rondas de patrulhamento em SP

Decisão da corporação visa a evitar desabastecimento. Secretaria diz que mudança não afeta patrulhamento e que chamados ao 190 continuarão sendo atendidos

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

24 Maio 2018 | 18h05

SÃO PAULO - Prevendo problemas para reabastecer devidamente as viaturas, a Polícia Militar adotou nesta quinta-feira, 24, mudanças na sua rotina de patrulhamento visando a economizar combustível. De acordo com a Secretaria da Segurança do Estado de São Paulo, a pausa adotada pelos policiais durante as rondas será estendida em dez minutos a cada hora, sem que isso, no entanto, comprometa o serviço.

+ Acompanhe em tempo real a situação do 4º dia de greve dos caminhoneiros

Segundo a pasta, os chamados ao 190 continuarão sendo atendidos. A secretaria disse ainda que a mudança foi adotada em alguns locais pontuais, que não foram divulgados. Não há paralisação, reiterou a pasta que chefia as polícias do Estado.   

+ Entenda a alta nos combustíveis e o protesto dos caminhoneiros

"As viaturas elas permanecem normalmente 20 minutos nos seus pontos de estacionamento e saem para circular. Esse período aumentou de 20 para 30 minutos por uma questão de prudência, para economia de combustível visando a atender toda a região. Não está tendo desabastecimeno da nossa frota. A nossa frota tem combustível para enfrentar os primeiros momentos da manifestação, então não há motivo para essa preocupação", disse o secretário da Segurança, Mágino Alves Barbosa Filho, à Rádio Bandeirantes

Paralisação. Postos de gasolina enfrentam escassez de combustível e entidades alertam para risco de falta de remédios em farmácias e hospitais e centrais de abastecimento registram queda de arredacação, que começa a afetar supermercados. Nos aeroportos, companhias aéreas adotam medidas de contingência. 

 O 4.º dia de greve está sendo marcado por protestos em 24 Estados, além do Distrito Federal. Em São Paulo, motociclistas se uniram a caminhoneiros e grupos protestam nas Marginais do Pinheiros e do Tietê, além de várias rodovias. A capital paulista funciona com a frota de ônibus reduzida, assim como várias outras grandes cidades do País.

A maior parte das entidades dos caminhoneiros aceitou pedido de trégua feito pelo governo. No entanto, o presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca, afirmou que orientará sua base a manter a paralisação até que seja aprovada e sancionada a lei que desonera o diesel do PIS/Cofins e da Cide. Ele diz liderar a maioria dos caminhoneiros que adere à greve.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.