Por determinação da Justiça, 80% do efetivo dos correios não aderiu à greve

Por determinação da Justiça, 80% do efetivo dos correios não aderiu à greve

Em nota, os Correios afirmam que algumas agências no País estão fechadas ou com funcionamento reduzido

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2017 | 13h21

BRASÍLIA - Levantamento realizado nesta sexta-feira, 28, pelos Correios mostra que 79,81% do efetivo de seus funcionários não aderiu à paralisação. O índice é verificado com base no sistema eletrônico de presença.

A manutenção do contingente de funcionários dos Correios foi determinada ontem pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). A Corte estabeleceu os sindicatos que representam os trabalhadores mantenham efetivo mínimo de 80% em cada uma das unidades localizadas nas bases de atuação. A decisão da ministra Maria Cristina Irigoyen Peduzzi também prevê multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento pelos sindicatos.

Em nota, os Correios afirmam que algumas agências no País estão fechadas ou com funcionamento reduzido. “No entanto, não há como garantir se os trabalhadores dessas unidades aderiram à paralisação ou se não conseguiram chegar aos seus locais de trabalho em decorrência da greve geral que está sendo realizada contra as reformas de Previdência e Trabalhista”, diz trecho do documento.

Segundo a assessoria, para minimizar os impactos à população, os Correios já iniciaram o Plano de Continuidade de Negócios, que inclui ações como deslocamento de empregados entre as unidades, apoio de pessoal administrativo e realização de horas extras.

Outra ação prevista para este fim de semana, é a realização de mutirões para entrega de objetos postais. Nas agências que estão abertas (96%), todos os serviços estão sendo prestados, inclusive o Sedex e os do Banco Postal. Apenas os serviços com hora marcada (Sedex 10, Sedex 12 e Sedex Hoje) continuam suspensos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.