finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

'Por enquanto', Brasil está seguro diante da crise, diz Lula

'Quem quer ganhar dinheiro muito fácil, acaba num cassino', critica; 'Brasil não apostou nesse caminho'

Fabiana Cimieri, do Estadão,

16 de agosto de 2007 | 18h01

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira, 16, que "por enquanto" o Brasil está seguro diante da crise que afeta as bolsas de valores do mundo todo. Ele ressaltou, porém, que "quem pensa em ganhar dinheiro muito fácil, acaba como num cassino, pode ganhar ou perder". "Como o Brasil não apostou nesse caminho, estabilizou a economia, criou um fundo de reserva, está mais seguro", disse ao chegar para inaugurar novas instalações no Colégio Pedro II, em Realengo, zona Norte do Rio.    Veja também:Após cair mais de 8%, Bolsa fecha com queda de 2,58%Dólar sobe 3% e fecha no maior nível desde marçoBrasil sairá da crise como escolhido para investimentos, diz MantegaFechamento dos mercados nesta quinta-feira Onda de prevenção a prejuízo se abate e juro futuro sobe Em quase um mês, empresas brasileiras perderam US$ 209,7 biO sobe e desce do dólar Os efeitos da crise do setor imobiliário dos EUA  "Eu aprendi desde pequeno que a gente só cuida bem do salário que ganha porque, senão, no final do mês falta dinheiro. Nós tratamos assim a economia brasileira. Nos preparamos para o inverno, juntamos o que precisávamos juntar de reservas e estamos com a economia sólida", disse  Lula confundiu por três vezes os fundos imobiliários subprime – que estão desencadeando a crise financeira norte-americana e abalando o mercado mundial – com os fundos de pensão. Ao falar sobre o cenário da crise nos Estados Unidos, ele disse que isso tem afetado alguns "fundos de pensão (sic) que apostaram e ganharam dinheiro muito fácil".  O presidente reafirmou também sua convicção de que "o Brasil sairá mais forte da crise". Ainda ao chegar ao evento, Lula comentou sobre a volatilidade cambial: "O dólar chegou hoje (quinta) a R$ 2,12, mas não podemos esquecer que dois ou três meses atrás estava em R$ 2,15. Ele vai ficar flutuando até chegar a um valor mais sólido". Câmbio Para o presidente, o dólar irá continuar flutuando até se ajustar. Ele lembrou que, há três meses, a moeda americana estava em R$ 2,17, valor mais alto do que alcançou ontem, quando fechou o dia em R$ 2,09, depois de ter beirado R$ 2,13.  O presidente frisou que a moeda americana já esteve mais cara do que está hoje, para sustentar sua tese de que o câmbio ainda não encontrou seu ponto de equilíbrio. "Como eu acho que o dólar vai continuar sendo flutuante em nosso câmbio, ele vai flutuar até se ajustar", afirmou, para acrescentar: "O que eu espero é que o mercado americano imobiliário resolva sua crise para não afetar outros países." Mesmo afirmando estar seguro de que a crise não afetará o País, Lula garantiu estar atento e conversando sistematicamente com o ministro da Fazenda, Guido Mantega. "A cada final de dia continua entrando mais dólares do que saindo", disse, voltando a sustentar que o País sairá fortalecido da crise.

Tudo o que sabemos sobre:
Aversão ao riscoLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.