Reprodução WhatsApp/Divulgação
Reprodução WhatsApp/Divulgação

Por erro da Caixa, donos de Lotérica ficam bilionários por horas no fim de semana

Empresário relatou crédito de R$ 1 trilhão na conta da empresa, 'número mágico' do ministro da Economia, Paulo Guedes, com a reforma da Previdência

Murilo Rodrigues Alves e Naira Trindade, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2019 | 19h03

BRASÍLIA - Márcio Nakamatsu descobriu no sábado, dia 13, que a conta bancária da sua lotérica com a Caixa recebeu crédito superior a R$ 2 bilhões de uma tacada só. "O problema é ficar com esse dinheiro todo na conta e não ter como gastar", brinca. 

Pelo grupo do WhatsApp, lotéricos de todo o País relataram o "recebimento" de valores bilionários em suas respectivas contas. Um deles escreveu "Tô rico" e deu print na conta que mostrava saldo de R$ 106,7 bilhões. 

Outro relatou que sua conta recebeu crédito de R$ 1 trilhão, "número mágico" do ministro da Economia, Paulo Guedes, que corresponde à economia que ele espera em dez anos nas contas públicas caso a reforma da Previdência seja aprovada ou o valor que, nas estimativas do ministro, o governo conseguiria caso vendesse todos os imóveis que a União ou privatizasse todas as estatais.

Nakamatsu, que tem duas lotéricas na Zona Norte de São Paulo, ficou "bilionário" das 10 horas às 13 horas, mas não fez nenhuma transação com o dinheiro, já que tinha certeza que se tratava de um erro da Caixa. 

"Seria o maior prêmio da loteria da história", diz. 

Na Mega-Sena da Virada de 2018 para 2019, a Caixa pagou R$ 302 milhões em premiação. Ele diz esperar que haja uma punição pelo erro.

Por meio da assessoria de imprensa, a Caixa confirmou que houve uma "inconsistência" no sistema, mas o banco não soube dizer quantos lotéricos tiveram os valores creditados por engano. 

Segundo o banco estatal, os valores apareceram no demonstrativo de saldo, mas não houve impacto de saque em nenhum dos casos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.