Por Niu Shuping

As importações de minério de ferro daChina alcançaram um recorde de 36,81 milhões de toneladas emjaneiro, contra 34,2 milhões de toneladas em dezembro, segundodados da alfândega chinesa divulgados nesta sexta-feira. O órgão do governo também informou em sua página naInternet que as exportações de produtos de aço caíram 13 porcento em janeiro, na comparação ao mês anterior, para 4,14milhões de toneladas. O recorde mensal de desembarques de minério de ferro ocorreem um momento em que as siderúrgicas chinesas enfrentam durasnegociações sobre preços da matéria-prima para 2008 com asprincipais mineradoras, que estão buscando aumento expressivoda cotação contratual devido à forte demanda da China, aprincipal produtora e consumidora de aço. Traders disseram que as mineradoras do Brasil e daAustrália estariam reduzindo os embarques de minério de ferropara a China no primeiro trimestre, devido ao congestionamentoem portos e a problemas climáticos, mas acrescentaram que asnegociações de preço também são um fator para isso acontecer. "As importações de minério de ferro vão cair em fevereiro emarço", afirmou um trader em Pequim. "Há sempre um tempo paraisso ocorrer. O que chegou em janeiro, em sua maioria, foiembarcado em novembro." As grandes importações de janeiro também chegaram em ummomento em que as siderúrgicas da China enfrentam uma escassezde energia, de coque e de carvão, devido ao forte inverno queafeta o país. Alguns traders estimaram que cerca de 10 por cento dacapacidade instalada do país, de aproximadamente 500 milhões detoneladas, está parada temporariamente pela crise de energia. As siderúrgicas também enfrentam problemas de fluxo decaixa, devido ao aperto no crédito imposto por Pequim, enquantoos preços da matéria-prima dispararam. Segundo traders, a produção de aço bruto poderia permanecerestável na melhor das hipóteses em janeiro e fevereiro, depoisde subir para 41,31 milhões de toneladas em dezembro. As exportações de produtos de aço devem se estabilizarentre 3 a 4 milhões de toneladas, afetadas pelas mudanças detaxas implementadas por Pequim. (Reportagem adicional de Nao Nakanishi em Hong Kong)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.