Por que o Brasil não cresce?

Estagnada há cinco anos, a economia brasileira está 4,8% abaixo do patamar pré-crise; economistas apontam como possíveis explicações para esse cenário a falta de investimentos e o grau elevado de destruição deixado pela recessão

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2019 | 15h32

Mesmo com a alta de 0,4% do produto interno bruto (PIB) no segundo trimestre, a economia brasileira ainda está 4,8% abaixo do pico registrado no início de 2014, quando teve início a recessão que só terminou em 2017. Para analistas, o Brasil tem enfrentado, na prática, uma estagnação, e medidas  como a reforma trabalhista, a redução na taxa básica de juros, a Selic, e a aprovação da reforma previdenciária na Câmara dos Deputados – todas apontadas por economistas como essenciais para fazer o PIB ganhar ritmo – ainda não mostraram um impacto relevante. O PIB deve crescer em torno de 1% neste ano, e o desemprego ainda atinge 12,8 milhões de habitantes.

Economistas ouvidos pelo Estado apontam como possíveis explicações para esse cenário a falta de investimentos e o grau elevado de destruição deixado pela recessão. A saída, no entanto, é controversa. Há quem defenda um corte mais drástico na Selic, quem sugira a venda de participações minoritárias do BNDES em empresas como forma de levantar recursos para investimentos em infraestrutura e quem afirme que qualquer medida de curto prazo prejudicará uma retomada sustentável no médio prazo.

Confira a seguir as reportagens produzidas para este especial:

1. País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

2. Medidas para acelerar PIB entram no debate

3. ‘Crise ambiental é uma ameaça gigante’, afirma José Roberto Mendonça de Barros

4. ‘O Brasil não vai voltar a crescer 3% ao ano’, diz Marcos Lisboa

5. 'Governo deveria vender participações do BNDES em empresas para terminar obras públicas', diz Eduardo Giannetti

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.