Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Por reajuste, funcionários da GM ameaçam greve na terça

Trabalhadores da fábrica da General Motors de São José dos Campos (SP) ameaçam entrar em greve a partir de terça-feira, 12, caso não consigam um acordo de reajuste salarial. Os 9,5 mil funcionários da montadora têm data-base neste mês e o sindicato local pede 13,8% de reajuste, o que representaria algo próximo de 10% de aumento real. A empresa ofereceu 4,3%, sendo 1,3% de aumento real.Em reunião realizada nesta quarta-feira, 6, entre representantes do Sindicato dos Metalúrgicos (ligado à central Conlutas) e representantes da empresa não houve acordo. Na próxima semana haverá nova negociação. "Terça-feira é o prazo que a GM tem. Se não houver o reajuste que os trabalhadores querem, vamos ter de partir para a greve" , afirmou o diretor do sindicato, Vivaldo Moreira.A GM não comenta o assunto. Recentemente, a montadora negociou com os trabalhadores a redução de 900 postos de trabalho na fábrica que produz os modelos Corsa, Meriva, Zafira e S10. Cerca de 450 funcionários entraram em um programa de demissão voluntária, um grupo aceitou transferência para outras unidades e outro está em lay-off (afastamento temporário).Reunião durante o feriadoNa Volkswagen de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, representantes dos trabalhadores e da montadora voltam a se reunir nesta quinta-feira, 7, para negociar o programa de reestruturação proposto pela companhia. As negociações foram retomadas depois que a empresa suspendeu, na terça-feira, 1.800 cartas de demissões e os trabalhadores encerraram greve iniciada no dia 29.Na próxima terça-feira haverá assembléia de trabalhadores para avaliar eventual proposta da Volks e, sem um acordo, eles podem retomar a greve.

Agencia Estado,

06 de setembro de 2006 | 22h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.