Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Porcentual de famílias endividadas sobe para 62,7% em agosto

Segundo dados da CNC, a porcentagem de famílias com dívidas ou contas em atraso também aumentou, para 22,4%

Vinicius Neder, O Estado de S. Paulo

25 de agosto de 2015 | 11h36

RIO - O porcentual de famílias que relataram estar endividadas alcançou 62,7% em agosto, o que representa uma alta em relação aos 61,9% observados em julho e o maior nível deste ano. Mas é menor que os 63,6% de agosto de 2014, informou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). 

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), o porcentual de famílias com dívidas ou contas em atraso também aumentou na comparação mensal, de 21,5% para 22,4% do total. Também houve alta da inadimplência em relação a agosto de 2014, quando o indicador ficou em 19,2% do total. 

O porcentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso apresentou alta em ambas as bases de comparação, alcançando 8,4% em agosto de 2015, ante 8,1% em julho do mesmo ano e 6,5% em agosto de 2014. 

"Após dois meses de queda, o porcentual de famílias com dívidas voltou a subir e alcançou o maior patamar do ano em agosto de 2015. No entanto, a proporção de famílias que declaram ter dívidas ficou em patamar inferior ao do ano passado. O crescimento mais moderado do crédito em relação ao ano passado está relacionado a essa redução", diz a CNC no relatório da Peic de agosto. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
'Após dois meses de queda, o porcentual de famílias com dívidas voltou a subir e alcançou o maior patamar do ano em agosto de 2015'
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Segundo os pesquisadores da CNC, os juros mais altos e a piora do mercado de trabalho explicam a alta da inadimplência. "Apesar da moderação no crescimento do crédito, a alta do custo do crédito e o cenário menos favorável do mercado de trabalho exerceram impactos negativos nos indicadores de inadimplência", diz a entidade. 

A Peic mostra que, entre as famílias inadimplentes, o tempo médio de atraso nos pagamentos de dívidas foi de 60,9 dias em agosto - acima dos 59,7 dias de agosto de 2014. 

A pesquisa coleta dados em todas as capitais dos Estados e no Distrito Federal, com cerca de 18 mil consumidores. São consideradas endividadas as famílias que relatam dívidas com cartão de crédito, cheque especial, cheque pré-datado, crédito consignado, crédito pessoal, carnês, financiamento de carro e financiamento imobiliário, entre outros. 

Tudo o que sabemos sobre:
dívidaCNC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.