Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Porto Rico diz não ter como pagar dívida de US$ 72 bilhões

Situação da ilha gera comparações com a Grécia; Casa Branca avisou que não considera um socorro ao país

SAN JUAN E WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2015 | 02h07

O governador de Porto Rico, Alejandro Garcia Padilla, alertou que a ilha não pode pagar sua dívida pública, de US$ 72 bilhões. Esse é mais um golpe para a economia local, que está em recessão, e para o sistema financeiro global, já pressionado pela crise de dívida da Grécia. Padilla espera poder adiar os pagamentos enquanto negocia com credores, informou seu porta-voz, Jesus Manuel Ortiz.

Os parlamentares porto-riquenhos debatem um orçamento de US$ 9,8 bilhões que pede US$ 674 milhões em cortes e separa US$ 1,5 bilhão para pagamento de dívidas. O orçamento precisa ser aprovado hoje. "Não há outra opção. Eu adoraria ter uma opção mais fácil. Isso não é política, é matemática", declarou Padilla em entrevista ao New York Times.

A Constituição de Porto Rico - que faz parte dos Estados Unidos - dita que a dívida tem de ser paga antes de qualquer outra obrigação. Se Padilla decidir não pagá-la, será necessário referendo e votação sobre uma emenda constitucional. A situação de Porto Rico tem gerado comparações com a Grécia. Recentemente, Padilla confirmou que considerava pedir permissão ao Congresso dos EUA para declarar falência.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse que o governo americano não considera um socorro. Segundo ele, a administração Obama vai trabalhar com Porto Rico para identificar recursos federais que possam ajudar. Ele ainda acrescentou que autoridades do Tesouro estão atuando em conjunto com o governo da ilha. Earnest disse que a ajuda do governo americano será similar à dada à cidade de Detroit na ocasião da quebra de 2013, a maior falência municipal da história dos EUA.

A agência de classificação de risco Fitch cortou os ratings da dívida de Porto Rico em cinco notas, de B para CC, porque "um default de algum tipo parece provável". A perspectiva para a nota é negativa.

AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Tudo o que sabemos sobre:
Porto RicoDívida públicaGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.