coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Portuários de Santos acusam governo e mantêm greve

O secretário do Sindicato dos Estivadores de Santos, Cesar Rodrigues Alves, explicou nesta quarta-feira ao Broadcast, serviço noticioso em tempo real da Agência Estado, os motivos de a greve dos estivadores não ter terminado às 13h, como estava anteriormente previsto. "A greve não terminou porque houve recuo do governo", disse o secretário. Os representantes dos trabalhadores se reúnem nesta tarde em Brasília com o ministro dos Portos, Leônidas Cristino. "Só depois a gente vai ter uma definição", disse o secretário.

JOSÉ ROBERTO CASTRO, Agencia Estado

15 de maio de 2013 | 17h17

A batalha dos estivadores é para que sejam aprovadas duas emendas, dos deputados Paulo Pereira da Silva (PDT), o Paulinho da Força, e Marcio França (PSB), que garantem que o trabalhador de portos públicos possa trabalhar nos novos terminais privados. "A gente trabalha com períodos de seis horas. De período em período eu passo novas informações para a categoria", disse explicando a dinâmica dos trabalhos de hoje do sindicato em relação à votação em curso no Congresso.

O secretário Cesar Rodrigues Alves voltou a afirmar que os acontecimentos dos próximos dias dependem do que for decidido na reunião dos representantes com o ministro e na votação dos destaques da MP dos Portos. Enquanto isso, a indefinição continua. "Podemos suspender a greve hoje e retornar amanhã", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
MP dos PortosSantosgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.