Portugal confirma compra de 6 aviões da Embraer, diz Temer

Portugal confirma compra de 6 aviões da Embraer, diz Temer

Presidente passou por Portugal e Cazaquistão antes de visita à China para cúpula do Brics

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 04h25

O presidente Michel Temer anunciou, na madrugada desta quinta-feira, 31, que o governo de Portugal confirmou a compra de seis aviões da Embraer. Em vídeo publicado no Twitter, enquanto viaja à China, Temer disse ter recebido a confirmação do presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa. 

O encontro entre os dois presidentes aconteceu nesta quarta, 30, durante escala da comitiva brasileira antes da chegada à Ásia para encontro do Brics (grupo formado também por Rússia, Índia, China e África do Sul). Segundo o relato no vídeo, as aeronaves compradas são do modelo cargueiro da Embraer, o KC-390. "Mesmo durante a viagem, já tivemos um resultado muito positivo", disse o presidente. 

A série de publicações no Twitter pessoal de Temer também citou uma escala no Cazaquistão, onde teve encontro com um empresário que pretende investir "bilhões de dólares" na Bahia. Em Pequim, já na manhã desta quinta, a agenda de encontros incluiu presidentes de quatro grupos chineses.

"Esses grupos, extraordinários, investem no Brasil e querem investir cada vez mais", disse no vídeo, cercado por alguns parlamentares da base aliada. O presidente aproveita a agenda com os demais líderes de países em desenvolvimento para prospectar interessados no pacote de concessões recém anunciado.

Janot. Em entrevista a jornalistas no hotel onde está hospedado em Pequim, Temer comentou que tentará levar o pedido de suspeição contra o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Ontem, o ministro Edson Fachin negou o pedido da defesa do peemedebista e deu aval para o procurador continuar conduzindo as investigações que envolvem o presidente. "Meu advogado está vendo. Ele me disse que talvez tenha agravo para o plenário do STF", disse Temer. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.