Portugal obtém adiamento de avaliação fiscal

O FMI, a União Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) concordaram em adiar para o fim de agosto a avaliação trimestral das condições da economia de Portugal, que é uma das condições para a concessão do pacote de ajuda de 78 bilhões ao país, diz comunicado do Ministério das Finanças português.

LISBOA, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2013 | 02h06

"Tendo em vista a situação política atual, o governo pediu à Comissão Europeia, ao BCE e ao FMI que realizem a oitava e a nona avaliações do programa juntas, permitindo que o programa de ajustes seja concluído no prazo estabelecido", diz a nota.

Originalmente, a expectativa era de que representantes da chamada troica chegassem a Lisboa na próxima semana, para a oitava avaliação. Mas a decisão do presidente Aníbal Cavaco Silva, anunciada na noite de quarta-feira, de pedir que os três maiores partidos políticos de Portugal aceitem um "pacto de salvação nacional", adiou uma solução para a crise política aberta na semana passada.

Em discurso pela TV, Cavaco Silva disse que a convocação de eleições antecipadas agora, após as divergências entre os três partidos sobre as medidas de austeridades exigidas pela troica, provocaria pânico nos mercados financeiros. Ele quer que os partidos cheguem a um acordo para que a austeridade seja mantida e novas eleições parlamentares sejam convocadas para depois de junho de 2014. / DOW JONES NEWSWIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.