Portugal perde grau de investimento da Fitch

São Paulo, 24 - A agência de classificação de risco Fitch rebaixou os ratings (nota) de longo prazo em moeda local e estrangeira de Portugal de BBB- para BB+. O rating de curto prazo foi rebaixado de F3 para B. Após o rebaixamento os ratings foram retirados da revisão para possível rebaixamento, na qual haviam sido colocados em abril. Mas a perspectiva é negativa.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

24 de novembro de 2011 | 09h45

O teto país (country ceiling) foi reafirmado em AAA. O rating das dívidas sênior não asseguradas foi rebaixado para BB+ e o rating dos papéis de curto prazo (commercial paper) foi revisado para B.

Segundo o comunicado da Fitch, os grandes desequilíbrios fiscais de Portugal, o alto endividamento em todos os setores e a perspectiva macroeconômica adversa significam que o perfil de crédito soberano não é mais condizente com o rating na faixa de grau de investimento.

A agência afirma que reduziu as previsões de crescimento para a economia portuguesa em função da piora das projeções europeias. A Fitch agora espera que o PIB de Portugal registre retração de 3% em 2012. Mas a agência diz que as reformas estruturais que devem ser implementadas sob o programa internacional de resgate recebido pelo país devem deixar Portugal em uma posição mais competitiva no longo prazo.

"Nos próximos dois anos, a recessão torna o plano de redução do déficit orçamentário do governo muito mais desafiador e vai impactar negativamente na qualidade dos ativos detidos pelos bancos do país. Entretanto, a Fitch julga que o compromisso do governo com o programa é forte", diz o relatório.

A previsão é que o país consiga atingir a meta de reduzir o déficit para 5,9% do PIB este ano, mas com o uso significativo de medidas extraordinárias. A mais importante delas é a transferência dos esquemas de pensão dos bancos para o setor público, o que deve gerar um ganho de até 1,7% no PIB.

Tudo o que sabemos sobre:
FitchPortugalgrau de investimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.