Portugal tem linha de 6,4 bilhões de euros para socorrer bancos

A reorganização acionária do Banco Espírito Santo (BES) é a opção preferida do Banco de Portugal e do governo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho para acabar com a crise de confiança que castiga o maior banco privado português. Há, porém, uma alternativa em caso de emergência: o BES tem à disposição cerca de 6,4 bilhões em uma linha emergencial de 12 bilhões criada pelo governo para os bancos há três anos.

Fernando Nakagawa, Vinícius Neder, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2014 | 02h02

A linha foi uma das condições para o resgate de Portugal pela troica - grupo formado por Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e União Europeia. Desde 2011, Millennium BCP, Banif e BPI tomaram 5,4 bilhões na operação. O BES já conta com uma reserva técnica de 700 milhões. Esse colchão foi criado por ordem do Banco de Portugal para eventual calote das empresas do conglomerado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.