Rafael Marchante/Reuters
Rafael Marchante/Reuters

Portugal vai socorrer companhia aérea TAP com injeção de 1,6 bilhão de euros até 2024

Empresa, que tem como principal acionista o governo português, deve demitir 3 mil funcionários e reduzir salários

EFE

10 de dezembro de 2020 | 08h58

LISBOA - O governo de Portugal fez na noite de quarta-feira, 9, uma reunião extraordinária do conselho de ministros para definir um plano de reestruturação da companhia aérea TAP, cujo maior acionista é o Estado português, que prevê a injeção 1,6 bilhão de euros até 2024. O plano de socorro deve ser apresentado nesta quinta-feira, 10, à Comissão Europeia. 

A TAP sofreu gravemente com as consequências econômicas da pandemia de covid-19, perdendo cerca de 9 milhões de passageiros de janeiro a setembro de 2020, o que representa uma queda de 70% no movimento normal. 

Segundo jornais portugueses, está prevista a redução do quadro de pessoal em cerca de 3 mil funcionários, entre pilotos, tripulantes, trabalhadores de terra e contratos temporários que não serão renovados, além do corte de 25% no salário dos colaboradores.

O plano de reestruturação poderá reduzir a frota da TAP, atualmente com 101 aeronaves, para algo entre 13 e 16 aeronaves. Além do Estado português, são acionistas do grupo o empresário português Humberto Pedrosa (22,5%) e trabalhadores de empresas (5%).

A TAP registrou perdas de 582 milhões de euros no primeiro semestre, cinco vezes mais que no ano anterior.

Tudo o que sabemos sobre:
Lisboa [Portugal]Portugal [Europa]Tap

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.