Portus pode ser liquidada em dois anos, denuncia advogado

O advogado Roberto Mohamed Amin Jr, que defende o Federação dos Portuários, denunciou que o Portus, fundo de previdência de aproximadamente 12 mil trabalhadores nos portos, pode ter sua insolvência decretada em dois anos, por conta da dívida de R$ 483 milhões que acumula. Ele se baseia em relatório apresentado pelo administrador especial nomeado pelo Ministério da Previdência, que considerou que "o Portus apresenta situação de baixíssima liquidez e as projeções de fluxo de caixa demonstram que, caso não haja um aporte substancial de recursos, dentro de dois anos, aproximadamente, não terá caixa para honrar a folha de pagamento e terá de ser liquidado".A investigação é decorrente de uma auditoria paralela que Mohamed Amin Jr realizou no órgão para constatar irregularidades, as quais foram também apuradas pelo Ministério da Previdência. Uma delas é o investimento de R$ 41 milhões entre 96 e 2001 numa fábrica no Nordeste. Ela tinha sido aberta por uma construtora falida para produzir tecido plástico e não chegou a entrar em produção.Por causa dessa e de outras irregularidades encontradas na aplicação dos recursos dos trabalhadores, quatro dirigentes do Portus foram acusados pelo rombo financeiro, tiveram suspensão de quatro anos decretada, além de serem obrigados a pagar R$ 6,5 mil de multa. Para o advogado, foi pouco. "Não me conformo com essa decisão, pois é muito pequena diante da gravidade dos fatos apurados". Por isso, ele irá interpelar a Secretaria da Previdência Complementar para saber porque o processo não foi encaminhado ao Ministério Público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.