Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Posco e Arcelor Mittal negociam cooperação

Aliança com Posco ajudaria a Arcelor Mittal em projetos na Índia e no Vietnã

Agencia Estado

02 de julho de 2007 | 09h26

A sul-coreana Posco informou que está em negociações com a Arcelor Mittal, maior produtora mundial de aço, sobre uma possível cooperação. A Posco, quarta maior siderúrgica no ranking global, é vista por analistas como vulnerável a uma oferta hostil de aquisição. A empresa recusou-se a comentar sobre persistentes especulações sobre uma possível proposta da Arcelor Mittal, mas em outras ocasiões a companhia negou algo nesse sentido. O grupo sul-coreano, com valor de mercado de cerca de US$ 40 bilhões, está conversando com a Arcelor Mittal desde que um executivo sênior da empresa com sede em Luxemburgo visitou a companhia em fevereiro. "Os dois lados têm discutido cooperação em várias frentes, como projetos internacionais e desenvolvimento de matéria-prima", disse um executivo da Posco que pediu para não ser identificado. "Mas ainda não tivemos progresso em uma área específica e nenhum detalhe foi decidido até agora." As informações sucedem uma reportagem na imprensa japonesa no começo desta semana dizendo que a Arcelor Mittal assinaria um novo acordo de parceria com a Nippon Steel sobre transferência de tecnologia e capacidade de expansão. Siderúrgicas de todo o mundo têm assinado parcerias para o co-desenvolvimento de minas de minério de ferro ou carvão, no caso de usinas integradas, ou então têm juntado forças para negociar preços de matérias-primas junto a fornecedores. Analistas afirmam que uma aliança com a Posco poderia ajudar a Arcelor Mittal em projetos na Índia e no Vietnã. Mas qualquer possível parceria não necessariamente removeria o risco de uma oferta hostil contra a POSCO, vista como um ativo valioso no mundo do aço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.