Reuters/Petar Kujundzic
Reuters/Petar Kujundzic

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Possível inclusão do yuan em cesta do FMI pressiona China por mais transparência

Moeda chinessa pode passar a ter status que hoje somente dólar, euro, libra e iene possuem; Pequim será pressionada a melhorar comunicação com investidores e com o mundo

O Estado de S. Paulo

30 de novembro de 2015 | 12h59

PEQUIM - Enquanto a China se prepara para o esperado anúncio do Fundo Monetário Internacional (FMI), de que o yuan vai se juntar ao clube de elite das chamadas moedas de reserva, as autoridades do gigante asiático terão de provar que são capazes de tratar a divisa chinesa como tal.

Nesta segunda-feira, espera-se que o FMI anuncie que, no próximo ano, incluirá o yuan na cesta de moedas que compõem suas reservas de crédito, um status conferido hoje apenas ao dólar, euro, libra e iene.

A eventual inclusão representaria o reconhecimento de que o perfil do yuan está se aperfeiçoando, em linha com a posição da China nas finanças globais. Por outro lado, a possível mudança aumentará a pressão sobre Pequim para mudar totalmente a forma como administra o yuan e se comunica com os investidores e com o mundo.

Como resultado, as promessas da China de diminuir o controle sobre o valor do yuan e abrir seu sistema financeiro ficarão ainda mais em evidência.

"Teremos de ampliar a confiança em ativos denominativos em yuans, tanto dos investidores domésticos quanto do exterior, e, ao mesmo tempo, evitar os riscos financeiros associados a uma moeda mais global", comentou Sheng Songcheng, chefe do departamento de pesquisa e estatísticas do PBoC, como é conhecido o banco central chinês. "Isso significa realizar várias reformas financeiras de forma coordenada."

A inclusão do yuan também vai pressionar o PBoC a oferecer o mesmo grau de clareza e transparência do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA), do Banco Central Europeu (BCE) e de outros BCs relevantes. E isso pode ser difícil. Apenas nos últimos seis meses, o BC chinês surpreendeu os mercados com uma desvalorização inesperada do yuan, se pronunciou muito pouco sobre o período de turbulência que as bolsas locais enfrentaram em meados do ano e confundiu os investidores ao emitir um decreto que já existia há meses.

"(O PBoC) precisa se comunicar de forma mais clara e eficiente com o mercado", disse Zhou Ping, fundador da Bin Yuan Capital, uma administradora de ativos de Xangai. "Seria, mais ou menos, uma mudança cultural para o banco central"

Um desafio imediato será lidar com a pressão do mercado para enfraquecer o yuan, diante da desaceleração da economia chinesa, depois de o PBoC passar três meses tentando fortalecê-lo. Assessores do PBoC e analistas dizem que o banco provavelmente permitirá uma depreciação gradual e modesta da moeda, algo em torno de 3% a 5% nos próximos 12 meses. A tarefa do BC chinês, dizem economistas, será sinalizar suas intenções ao mercado com clareza.

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, e um relatório da equipe da entidade já apoiaram a inclusão do yuan na cesta, que é conhecida como SDR pela sigla em inglês.

A inclusão, se confirmada, vai marcar um grande feito do presidente do PBoC, Zhou Xiaochuan, e de outros dirigentes do banco, que vêm angariando apoio político em torno da ideia de que o status do yuan nas finanças internacionais deve igualar a influência da China, como uma potência emergente global.

Para atender os critérios do FMI, o PBoC implementou uma série de mudanças, incluindo a liberalização das taxas de juros e o acesso mais fácil dos investidores estrangeiros aos mercados chineses. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.