Joel Silva/ Estadão
Joel Silva/ Estadão

Possível melhora da economia agrava situação de reservatórios na seca, diz ONS

Além do crescimento da demanda pelos setores do comércio e serviços, a manutenção do ritmo elevado das indústrias, principalmente daquelas voltadas para a exportação, elevaram a perspectiva de demanda de energia para os próximos meses

Marlla Sabino e Anne Warth, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2021 | 20h48

BRASÍLIA - A perspectiva de aumento no consumo de energia nos próximos meses, puxado pelos setores do comércio e serviços, associada a uma perspectiva mais “realista” sobre a quantidade de usinas termelétricas efetivamente disponíveis para geração de energia, devem levar os reservatórios próximo ao limite em meados de novembro, quando termina o período seco no País. Segundo o Operador Nacional do Sistema (ONS), o impacto maior seria nos subsistemas Sul e Nordeste.

Além do crescimento da demanda pelos setores do comércio e serviços, a manutenção do ritmo elevado das indústrias, principalmente daquelas voltadas para a exportação, elevaram a perspectiva de demanda de energia para os próximos meses, diz a nota técnica emitida nesta quinta-feira, 22, pelo ONS.

Os dados sobre a disponibilidade de térmicas também foram revisados, já que as usinas podem estar indisponíveis por diferentes motivos. “Neste estudo prospectivo foi considerada uma disponibilidade termelétrica reduzida em comparação àquela considerada nos estudos anteriores, porém mais realista caso as ações no sentido de aumento da disponibilidade energética não alcancem o resultado esperado.”

Diante do cenário, o ONS apresentou uma série de recomendações para atenuar as consequências da escassez de água. Entre elas a avaliação, em conjunto com a Agência Nacional de Águas e Saneamento (Ana), do uso de reservatórios das hidrelétricas das bacias do Rio Grande e do São Francisco para garantir o fornecimento de energia no País e a aplicação de medidas para aumentar a disponibilidade de energia termelétrica.

Essas medidas, diz a nota, incluem a antecipação, em alguns meses, da entrada em operação de termelétrica GNA I, localizada em São João da Barra (RJ) e movida a gás natural. As sugestões incluem ainda o “gerenciamento de manutenções programadas” de térmicas e o aumento da contratação de energia de térmicas Merchant (ou seja, que não possuem contrato fixo de geração e, por isso, são mais caras) e a ampliação da importação de energia do Uruguai e da Argentina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.