bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Postos investem para ampliar lojas de conveniência

Distribuidoras e revendedores de combustíveis planejam investimentos de R$ 1,27 bilhão até 2005 na ampliação do número de lojas de conveniência em postos de gasolina. O objetivo é aumentar o número de lojas dos atuais 1,6 mil para mais de 4,1 mil. Este ano, as lojas de postos devem faturar, juntas, cerca de R$ 780 milhões, faturamento que as colocaria no oitavo lugar do ranking de supermercados, atrás da rede Zaffari, que faturou R$ 838,6 milhões em 2001.Para os postos, é uma resposta pela entrada dos supermercados no segmento de combustíveis, diz um executivo da Federação Nacional do Comércio Varejista de Combustíveis (Fecombustíveis). Desde que começaram a vender gasolina, as redes supermercadistas vêm roubando clientes dos postos devido ao preço baixo, proporcionado por vantagens fiscais - um supermercado pode compensar os créditos do ICMS pago nos combustíveis em outros produtos. A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) preferiu não comentar o assunto.Os dados da entidade, porém, confirmam que o faturamento de lojas de auto-serviço - categoria em que se incluem as lojas de conveniência - cresceu 0,4% entre 2000 e 2001, frente a uma queda de 7% na receita dos supermercados. "Queremos pegar um público de maior poder aquisitivo, que tem pouco tempo para compras", diz o gerente para a área de conveniência da BR Distribuidora, Carlos Vieira.Para a distribuidora, além dos royalties pagos pelo dono de posto pela franquia da loja, a instalação de um ponto de vendas em posto de gasolina garante fidelização do cliente e um aumento entre 15% e 20% das vendas de gasolina do posto, diz o executivo. Para isto, as empresas continuam apostando em parcerias com outros prestadores de serviço, como redes de fast-food e locadoras de vídeo.Na semana passada, a Ipiranga inaugurou a primeira lavanderia em posto de gasolina do País. Outras parcerias vêm sendo estudadas, como livrarias em lojas de conveniências e maiores serviços de apoio ao motorista e caminhoneiro nos postos de estrada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.