Postos já repassam alta da gasolina

Aumento médio é de R$ 0,20 por litro; motoristas já cogitam deixar o carro mais dias em casa

O Estado de S. Paulo

30 Setembro 2015 | 22h26

Poucas horas após o anúncio de reajuste nos preços da gasolina e do diesel nas refinarias, a alta nos combustíveis já chegava às bombas de boa parte dos postos. Com o aumento de 6% nos preços da gasolina, o litro do combustível em São Paulo deve ficar de R$ 0,17 a R$ 0,20 mais caro, segundo o Sincopetro-SP, sindicato que representa os donos de postos no Estado. 

Apesar de as distribuidoras trabalharem com estoque, o repasse do aumento de preço foi imediato, segundo o sindicato. José Alberto Gouveia, presidente do Sincopetro-SP, disse que às 5h30 desta quarta-feira ligou para a distribuidora fornecedora de seu posto para consultar o preço da gasolina, e foi informado de que o preço foi reajustado à zero hora e um minuto. 

O preço nas bombas é livre, mas Gouveia acredita que os revendedores terão pouco espaço para aumentar além do repasse, uma vez que o mercado está retraído. Ainda segundo o sindicato, de janeiro a agosto, as vendas de gasolina em São Paulo caíram 15% em relação a igual período do ano passado.

De dez postos consultados pelo Estado na capital paulista na tarde desta quarta-feira, sete já haviam aumentado os preços, de R$ 0,10 a R$ 0,30 por litro. Em um posto na Freguesia do Ó, o litro da gasolina passou de R$ 2,899 para R$ 3,099; o diesel, porém, ainda não subiu. “A maioria dos clientes já percebeu e está reclamando”, disse o caixa Alex Souza. “Eles dizem que, se soubessem, teriam abastecido no dia anterior.” 

Nos postos do Rio, a reportagem constatou que os preços do litro da gasolina ficaram de R$ 0,10 a R$ 0,20 mais caros. O produto estava sendo vendido de R$ 3,59 a R$ 3,79 em bairros do centro e das zonas sul e norte da cidade. No bairro da Tijuca, na zona norte, o gerente do posto Mikonos, de bandeira Shell, Robson Vaz, informou que o litro ficou R$ 0,20 mais caro a partir das 14h desta quarta-feira, quando o estoque foi reposto. 

Pé no freio. Para incorporar a alta da gasolina em seus orçamentos, motoristas do Rio já cogitam deixar o carro na garagem por mais tempo. Empregado terceirizado da Petrobrás, Marcelo Oliveira reclama dos preços praticados pela empresa. A saída daqui para a frente, afirma, será utilizar o carro apenas para ir ao trabalho nos dias em que estiver de plantão à noite. “Em outros países, a gasolina é mais barata. Aqui temos a Petrobrás, uma empresa estatal, que poderia vender a preços mais baixos”, afirmou Oliveira.

O estudante Júlio Nascimento usa o veículo para ir e voltar do trabalho e da faculdade, o que consome R$ 600 por mês do seu orçamento. Com o aumento, vai passar a fazer o trajeto de trem em alguns dias da semana. Já o comerciante Nelson Ribeiro optou por compensar qualquer perda aumentando os preços dos produtos que vende. “É a melhor opção para tirar a diferença e evitar pagar a conta do próprio bolso”, disse ele, complementando que, no seu trabalho, utiliza o carro na distribuição dos produtos. / ANNA CAROLINA PAPP, ANTÔNIO PITA, FERNANDA NUNES e IGOR PATRICK SILVA, ESPECIAL PARA O ESTADO

Mais conteúdo sobre:
gasolina reajuste

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.